“A empresa não é inimiga, o empresário não é um adversário”, diz secretário geral da UGT

Carlos Silva defendeu esta quinta-feira no Fórum Capitalizar que é possível chegar a entendimentos entre empresários e trabalhadores para a criação de riqueza.

Cristina Bernardo

O secretário geral da UGT, Carlos Silva, defendeu a necessidade de investimento para a criação de emprego, considerando que é possível chegar a entendimentos entre empresários e trabalhadores para a criação de riqueza.

Carlos Silva falou sobre a relação das empresas com os trabalhadores num frente-frente com António Saraiva, presidente da CIP, moderado pelo CEO do Novo Banco, António Ramalho, e que abordou o tema do “Investimento como fator de sustentabilidade”, no âmbito do Fórum Capitalizar, promovido em conjunto entre o Jornal Económico e o Novo Banco, realizado esta quinta-feira, no Museu do Oriente, em Lisboa.

Carlos Silva salientou que “para a criação de emprego é fundamental que hajam empresários que invistam. Não há postos de trabalho se não houver essa assunção de risco”.

“A empresa não é inimiga, o empresário não é um adversário. É possível haver entendimentos entre empresários e trabalhadores que empresas consigam atingir crescimento”, referiu.

Recomendadas

QSP Summit: três pavilhões com mais de cem expositores

Vão ser três pavilhões totalmente dedicados ao evento, considerado um dos melhores da Europa nas áreas de marketing e management.

José Maria Ricciardi: Reguladores “devem ter capacidade para avaliar situações dúbias”

José Maria Ricciardi criticou a discussão que está a ser trazida para a praça pública sobre quem eram os grandes devedores à banca. Também os políticos não escaparam à análise do banqueiro, a quem Ricciardi não reconhece “a capacidade para discernir as operações de crédito feitas menos aceitáveis” e outras que falharam por razões económicas.

“O mundo vai desapontar em 2019”, diz economista chefe da Arcano

Para Ignacio de la Torre, os riscos sistémicos vão penalizar o crescimento económico global. O fim do ‘quantitative easing’, o crescimento económico da China abaixo dos 5% e o aumento da dívida privada vão ser fatores a ter em conta. A próxima crise de crédito vem dos mercados emergentes.
Comentários