Ameaças de Trump vergam fabricantes de automóveis

Toyota, Fiat Chrysler e Ford anunciam investimentos milionários nas suas fábricas norte-americanas após as pressões do Presidente eleito para reforçar a indústria local em detrimento da mexicana.

Carlos Barria/REUTERS

As ameaças de Donald Trump à indústria automóvel norte-americana estão a surtir efeito entre os fabricantes tradicionais. O Presidente-eleito ameaçou a General Motors, a Ford e mais tarde a Toyota… sempre via Twitter e com um denominador comum: será imposta uma carga fiscal de 35% aos automóveis produzidos pelas fábricas no México que tenham como destino o mercado norte-americano.

Para as marcas, fabricar no país azteca supõe uma poupança de 40% e graças ao tratado de Comércio Livre entre Canadá, EUA e México, passam as autoridades aduaneiras sem pagar qualquer tipo de taxas. Há que ter em conta que um operário cobra entre 5 a 8 dólares à hora no México, salário que ascende até aos 20 dólares nas fábricas da General Motors, Ford ou Fiat Chrysler no Michigan.

Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários