Barril de Brent fecha em alta de 69,26 dólares com novo máximo desde 2014

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,06 dólares face à última negociação, quando fechou a 69,20 dólares.

Sergei Karpukhin/Reuters

O barril de petróleo Brent, para entrega em março, fechou hoje no mercado de futuros de Londres a 69,26 dólares, mais 0,08% do que no fim da sessão anterior e um novo máximo desde dezembro de 2014.

Durante a sessão de hoje o barril de petróleo cotou-se acima da barreira dos 70 dólares pela primeira vez desde dezembro de 2014.

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,06 dólares face à última negociação, quando fechou a 69,20 dólares.

A queda das reservas norte-americanas, a sólida procura durante os meses de inverno e as limitações de produção pactadas pela Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) pressionaram durante a sessão o preço, que contudo recuou nas últimas horas.

A instabilidade política no Irão e as reformas na Arábia Saudita impulsionaram nas últimas semanas os preços, que têm registado uma tendência para a altaq apesar do temor de um aumento da produção nos Estados Unidos.

O barril de Brent, que chegou a cotar-se abaixo dos 30 dólares há dois anos, não superava os 70 dólares por barril durante uma sessão em Londres desde 04 de dezembro de 2014, segundo dados recolhidos pela agência noticiosa Efe.

Ler mais
Recomendadas

‘Homebanking’ do Banco Carregosa adota autenticação com reconhecimento facial

O sistema biométrico, em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o ‘login’, cumpre pelo menos dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais de segurança. A app mobile foi desenvolvida pela tecnológica portuguesa Polygon para os sistemas operativos IOS e Android.

NOS e Sonae Capital lideram na abertura da Bolsa de Lisboa

Os analistas do BPI salientam que, atualmente, “o desempenho dos índices americanos é o principal catalisador das bolsas do ‘Velho Continente’”.
Comentários