Barril de Brent fecha em alta de 69,26 dólares com novo máximo desde 2014

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,06 dólares face à última negociação, quando fechou a 69,20 dólares.

Sergei Karpukhin/Reuters

O barril de petróleo Brent, para entrega em março, fechou hoje no mercado de futuros de Londres a 69,26 dólares, mais 0,08% do que no fim da sessão anterior e um novo máximo desde dezembro de 2014.

Durante a sessão de hoje o barril de petróleo cotou-se acima da barreira dos 70 dólares pela primeira vez desde dezembro de 2014.

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,06 dólares face à última negociação, quando fechou a 69,20 dólares.

A queda das reservas norte-americanas, a sólida procura durante os meses de inverno e as limitações de produção pactadas pela Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) pressionaram durante a sessão o preço, que contudo recuou nas últimas horas.

A instabilidade política no Irão e as reformas na Arábia Saudita impulsionaram nas últimas semanas os preços, que têm registado uma tendência para a altaq apesar do temor de um aumento da produção nos Estados Unidos.

O barril de Brent, que chegou a cotar-se abaixo dos 30 dólares há dois anos, não superava os 70 dólares por barril durante uma sessão em Londres desde 04 de dezembro de 2014, segundo dados recolhidos pela agência noticiosa Efe.

Ler mais
Recomendadas

Nasdaq sobe 1,7% e puxa por Wall Street

A Apple fechou em alta, tal como a Cisco Systems, uma das maiores empresas de serviços para redes de computadores. No lado macroeconómico, o sentimento na indústria nova-iorquina volta a melhorar em novembro.

Sonae, Pharol e Amorim com fortes descidas na Bolsa. Europa em queda com Brexit

O Brexit marcou o ritmo das bolsas europeias. Theresa May insiste no acordo com a União Europeia porque acredita que “é o que está certo e o que cumpre o interesse nacional”. Mas a primeira-ministra britânica corre o risco de uma moção de censura. A bolsa da Irlanda é a que mais cai.

Wall Street ignora possível fim da guerra comercial e abre no ‘vermelho’

Os mercados financeiros norte-americanos ainda estão pressionados pela hipótese de se assistir a condições adversas na economia dos Estados Unidos em 2019, admitidas pelo presidente da Reserva Federal, bem como por quedas de gigantes como o Facebook (-1,44%, para 142,15 dólares) ou a Amazon (-2,88%, para 1.553 dólares).
Comentários