BCE exige menos capital ao BPI em 2019 do que em 2018

Isto reflete uma melhoria dos ativos ponderados pelo risco do banco liderado por Pablo Forero. O BPI tem um exame de SREP mais favorável que a CGD, o que explica a menor exigência de capital ao nível do Pilar 2.

Manuel de Almeida/Lusa

O Banco BPI informa ter recebido a decisão do Banco Central Europeu (BCE) sobre os requisitos mínimos prudenciais que deverão ser respeitados a partir de 1 de janeiro de 2019, decisão que se baseia nos resultados do Supervisory Review and Evaluation Process (SREP). De acordo com a decisão do BCE no âmbito do SREP, o requisito de Pilar 2 para o Banco BPI em 2019 é de 2%, o que representa uma redução de 0.25 p.p. face a 2018.

Isto reflete uma melhoria dos ativos ponderados pelo risco do banco liderado por Pablo Forero. Para além da melhoria face a ano passado, há também uma vantagem comparativa face ao seu concorrente CGD que ontem anunciou que o BCE exige um rácio de no mínimo 2,5%, ao nível do Pilar 2.

O banco avança que “tendo em conta os rácios observados em 31 de dezembro de 2018, o Banco BPI cumpre os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e rácio total.

Para além do Pilar 2 do rácio, o Banco de Portugal divulgou, através de comunicado, a reserva de fundos próprios que é exigida ao Banco BPI na qualidade de “outra instituição de importância sistémica” (O-SII).

As decisões definem, no que respeita aos requisitos mínimos de fundos próprios a observar a partir da data referida, os  rácios e capital, determinados em função do valor total dos ativos ponderados pelo risco (RWA). Assim ao BPI é exigido um rácio de capital CET1, na versão phased-in, de 9,25%, e de 9,5% na versão fully loaded. Sendo que banco já tem, desde o fim do ano passado, um rácio de CET1 de 13,2% (fully loaded). O banco explica que a partir de 1 de janeiro de 2018 o Banco BPI passou a calcular apenas os rácios de capital em fully loaded. 

Em termos de rácio de capital Tier 1 o que o BPI tem de ter em termos regulatórios é um mínimo de 10,75% em phased-in e 11% em fully loaded. O banco tinha a 31 de dezembro 13,2%.

Em termos de rácio total o mínimo exigido é de 12,75$ na versão phased-in e de 13% na versão fully loaded. O BPI já tem 14,9%.

O Pilar 1 do rácio é ao nível do CET 1 de 4,5% e ao nível do Tier 1 de 6%. O que dá uma exigência mínima regulatória de 8% de rácio total.

Em 2019, o buffer de conservação de capital é de 2,5%, atingindo o máximo previsto para esta reserva de capital. O buffer contra-ciclíco mantém-se em 0% em Portugal. O buffer O-SII aumenta linearmente durante 4 anos com inicio em 2018 até atingir 0,5% em 2021, sendo 0,25% em 2019.

Ler mais
Relacionadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.

Miguel Maya: Financiamento do Fundo de Resolução tem de ser analisado com cuidado e rigor

Miguel Maya transmitiu esta posição à margem da V Cimeira do Turismo Português, que está hoje a decorrer em Lisboa, depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de virem a ser encontradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo de resolução sem ser através de empréstimos públicos.
Comentários