Bolsa de Lisboa em alta depois da subida do rating da S&P

A generalidade das praças europeias registou uma sessão de ganhos. O disparo superior a 7% das ações do Commerzbank e de 4,2% do Deutsche Bank após a confirmação de que iniciaram conversações para uma potencial fusão animaram o setor da Banca. Por cá a NOS liderou o PSI 20. Os juros soberanos portugueses estão em mínimo históricos.

O início de semana foi positivo para o mercado bolsista nacional.

O PSI 20 fechou a sessão a subir 0,89% para 5.283,6 pontos. Os investidores reagiram ao anúncio de 6ª feira por parte da agência de rating Standard & Poor’s que decidiu subir o “rating” de Portugal em um nível para “BBB”, com um Outlook «estável». Consequentemente, os juros portugueses a 10 anos atingiram hoje o valor mais baixo de sempre (1,249%).

No mercado de ações, os títulos da NOS lideraram as subidas no PSI (+2,26% para 5,645 euros). Logo seguida pela Corticeira Amorim (+1,88% para 10,840 euros); pela Galp (+1,78% para 14,565 euros); pela Sonae (+1,27% para 0,958 euros); e pelo BCP (+1,40% para  0,2318  euros). O banco acompanhou a tendência do setor na Europa.

No que toca à Galp, a subida surge depois se se saber que a petrolífera portuguesa tem aprovação do Acordo de Individualização da Produção na Bacia de Santos no Brasil. Isto é, o regulador brasileiro aprovou uma alteração que vai ditar a redução da participação da Galp e da Shell no campo Lula.

Através de comunicado à CMVM a petrolífera informou que a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou o Acordo de relativo à jazida compartilhada de Lula submetido pelo consórcio BM-S-11, junto com a Petrobras por parte da área da Cessão Onerosa (CO), e a Pré-Sal Petróleo (PPSA) em representação do Estado Brasileiro por parte da jazida compartilhada que não se encontra contratada. A Galp, através da sua subsidiária Petrogal Brasil, detém uma participação de 10% no consórcio que desenvolve o bloco BM-S-11. O Acordo de Individualização da Produção entrará em vigor a partir de 1 de abril de 2019.

Em queda só a EDP Renováveis (-1,54% para 8,620 euros), depois das declarações do embaixador dos EUA ao Jornal Económico de que a oferta pública de aquisição da China Three Gorges (CTG) à EDP e EDPR será chumbada nos EUA.

A Altri tombou -2,26% para 7,340 euros, por tomada de mais valias; os CTT (-0,79% para 2,758 euros); e a Navigator (-0,23% para 4,286 euros).

As bolsas europeias fecharam na sua maioria em alta esta segunda-feira. O EurosStoxx 50 fechou em ligeira alta de 0,04% para 3.387,6 pontos. O FTSE 100 subiu 0,91% para 7.293,92 pontos; o CAC 40 ascendeu 0,11% para 5.411,5 pontos; o IBEX também fechou em alta de 0,63% para 9.401,2 pontos e o FTSE MIB ganhou 0,90% para 21.234,6 pontos.

Em baixa fechou o alemão DAX que perdeu 0,25% para 11.657 pontos. Num dia em que o Deutsche Bank e o Commerzbank confirmaram o início das conversações para uma potencial fusão, as ações de ambos os bancos estão com valorização expressiva, “espalhando este otimismo ao setor e por conseguinte aos mercados como um todo”, diz o analista da Mtrader, Ramiro Loureiro.

O disparo superior a 7% das ações do Commerzbank e de 4,2% do Deutsche Bank após a confirmação de que iniciaram conversações para uma potencial fusão animaram o setor da Banca, mas não chegaram para sustentar o índice da bolsa de Frankfurt.

O DAX  foi castigado por cotadas como Adidas (-2,35%), Infineon (-2,58%), Lufthansa (-1,89%) e empresas do setor Auto.

Na Europa destaque ainda para a notícia de que a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, não pode voltar a levar a votos no Parlamento britânico o acordo de Brexit que negociou com Bruxelas e que já foi chumbado pelos deputados duas vezes. John Bercow, atual presidente da Câmara dos Comuns, ditou esta segunda-feira que o Governo britânico não pode forçar um novo voto se o documento não sofrer alterações substanciais. “O que o Governo não tem legitimidade para fazer é voltar a submeter à Câmara a mesma proposta, ou substancialmente a mesma proposta, que a da semana passada, que foi rejeitada por 149 votos”, disse Bercow.

Paralelamente ao mercado de ações, os juros da dívida soberana na periferia da Zona Euro continuam a descer e em alguns casos a atingirem mínimos de sempre, “a exemplo de Portugal, que tem a yield dos 10 anos abaixo dos 1,3%”, diz o analista do BCP.

Como a descida da yield é o reflexo da valorização das obrigações de dívida pública, muitas das quais detidas pelas carteiras dos bancos, o designado mark-to-market destas posições valoriza e tem efeito positivo para os bancos, explica o analista da Mtrader.

O petróleo sobe em Londres 0,43% para 67,45 dólares e nos EUA ganha 0,91% para 59,05 dólares.

Ler mais
Relacionadas

S&P põe juros da república portuguesa a nove pontos da dívida espanhola

Os juros da dívida de Portugal a 10 anos estão em mínimos históricos, depois da subida do rating pela S&P.

Portugal poupou 1.270 milhões em juros com subidas de ‘rating’ em 18 meses, diz Centeno

Os números foram calculados pelo ministro. O Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento.

Centeno sobre subida do rating: “consolidação orçamental tem sido uma prioridade da política económica”

O Governo destaca “o processo de reequilíbrio das contas externas e a sua recomposição, num sentido que lhe confere maior resiliência, e o aumento do peso das exportações no PIB em +16 p.p. desde 2005”. A agência considera que as condições de crédito em Portugal convergiram para a média da zona euro, em simultâneo com a diminuição “substancial” do endividamento das empresas e das famílias, diz o gabinete de Mário Centeno.
Recomendadas

PSI20 negoceia no verde impulsionado pela Jerónimo Martins contrariando maré vermelha europeia

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI 20, regista esta sexta-feira uma subida de 0,81% para 5.395,34 pontos, em contraciclo com as bolsas europeias que negoceiam todas no vermelho.

Dados robustos põem Wall Street em máximos

Na Europa, as bolsas recuperam após os agentes económicos terem antecipado o novo envelope financeiro que o BCE vai apresentar em junho.

Wall Street sem tendência definida. Dona do ‘post-it’ afundou cerca de 13% e arrastou o Dow

No setor industrial, destaque para o tombo de 12,95% da 3M, a empresa que inventou e comercializa os ‘post-it’, o que teve um impacto negativo de 0,4% no Dow.
Comentários