Bolsa de Lisboa não escapa ao desânimo da Europa. Sonae tomba 3%

A Galp Energia e a Sonae Capital negoceiam em contraciclo, com ganhos superiores a 1%.

Apesar de ter arrancado no ‘verde’, a bolsa portuguesa negoceia em terreno negativo a meio da sessão desta quinta-feira, 15 de novembro, influenciada pelo contexto internacional pessimista e pelas quedas generalizadas das cotadas – onde sobressai o tombo de 3,17% da Sonae, para 0,84 euros. Assim sendo, o principal índice português, PSI 20, recua 0,72%, para 4.924,19 pontos.

As ações da Sonae inverteram a tendência da abertura, um depois de a retalhista ter apresentado lucros, após o fecho de mercado de ontem. A ‘dona’ do Continente foi um dos títulos que mereceu mais atenção, uma vez que reportou, horas antes, uma subida nos lucros do terceiro trimestre, para 200 milhões de euros. Também a Jerónimo Martins resvala depois de ter acordado bem disposta (-1,02%).

“Tem sido um ano particularmente difícil para o setor retalhista europeu, que se saldou numa notável underperformance face à maioria dos demais sectores. Os retalhistas europeus estão a ser fustigados por uma dupla concorrência”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research. Numa nota de mercado publicada esta manhã, justificam a posição: “cada retalhista a tentar conquistar uma maior fatia do mercado, sendo obrigado a recorrer a inúmeras promoções. Estas promoções penalizam as margens e os lucros. Adicionalmente, o sector retalhista enfrenta um novo adversário: o e-commerce”.

A Galp Energia (+1,45%, para 14,69 euros) e a Sonae Capital (+1,47%) negoceiam em contraciclo, com ganhos superiores a 1%. A elétrica está a beneficiar da recuperação do petróleo, cuja cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma agora 1,04%, para 66,81 dólares, enquanto a do crude WTI avança 0,48%, para 56,52 dólares por barril.

A EDP Renováveis desliza 0,64%, para 3,0740 euros. Recorde-se que a energética liderada por João Manuel Manso Neto, por via da EDPR UK Limited, concluiu a venda de 13,4% no projeto eólico offshore Moray, no Reino Unido, por cerca de 64 milhões de euros.

Já a Mota-Engil cai 2,07%, para 1,61 euros, um dia depois de anunciar que, através da sua subsidiária Administradora para el Desarollo-MEM colocou 3 mil milhões de euros de pesos (cerca de 133 milhões de euros) em CERPI.

Na Europa, o índice alemão DAX (+0,24%) e o britânico FTSE 100 (+0,26%) são a exceção e negoceiam com ganhos, enquanto o francês CAC 40 desvaloriza 0,29%, o italiano FTSE MIB perde 0,49% e o holandês AEX recua 0,30%.

Quanto ao mercado cambial, os olhos dos investidores estão na libra, que descamba à medida que o governo britânico dá sinais de discórdia – comprovadas pela vaga de demissões desta manhã. A moeda do Reino Unido está a cair 1,69% perante a divisa dos Estados Unidos (1,2772 dólares). O euro também deprecia 0,07% face ao dólar (1,1366).

“Com os investidores já a pensão num não-acordo, e com a incerteza adicionada agora sobre a continuidade da primeira-ministra à frente do executivo, o preço da libra esterlina dá lugar a todas as frentes. O GBP/USD, uma das principais referências do mercado de câmbio, é um bom reflexo dessa situação. Este nível é o mais baixo da moeda britânica desde 31 de novembro”, refere Aitor Méndez, analista da IG.

Ler mais
Recomendadas

Mercados em Ação. “Estejam atentos aos ‘posts’ de Donald Trump”, diz Bruno Janeiro

Bruno Janeiro, trader e country manager da ActivoTrades Valores, esteve na última edição do ‘Mercados em Ação’ e focou a política de comunicação do presidente norte-americano.

Mercados em Ação. “Tem havido uma grande afluência de brasileiros para o mercado nacional”, diz Pedro Delgado

No ‘Espaço Empresas’ do ‘Mercados em Ação’, entrevistámos Pedro Delgado, CTO da Do It Lean, sobre o setor do software.

Wall Street fecha em baixa dada a persistência da tensão entre EUA e China

Depois de uma queda brusca do mercado, na segunda-feira, desencadeada pelo anúncio de represálias chinesas aos novos direitos alfandegários impostos pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, “os investidores pareciam um pouco mais otimistas”, dizem analistas citados pela Lusa.
Comentários