Centeno adia Reforma da Supervisão Financeira para 2019

O Ministério das Finanças não consegue fechar a versão final da Reforma da Supervisão Financeira de modo a iniciar o processo legislativo.

Cristina Bernardo

Ainda não vai ser este ano que a Reforma da Supervisão Financeira é concluída. Segundo revelaram fontes ligadas ao processo, o Ministério das Finanças já fez saber que o processo legislativo da Reforma da Supervisão Financeira ainda não será desencadeado este ano. Fonte oficial não comenta.

Estava inicialmente previsto que o documento final da Reforma da Supervisão fosse a Conselho de Ministros em setembro, mas tal não aconteceu, e a discussão do Orçamento de Estado de 2019, que vai ser entregue na Assembleia da República nesta segunda-feira, deixa a reforma que Mário Centeno apelidou de “reforma estrutural” com “caráter de urgência” adiada para 2019. Ricardo Mourinho Félix é quem está agora a liderar o dossier dentro do Ministério.

Passou mais de um ano desde que o ministro das Finanças, Mário Centeno, ladeado pelo líder do grupo de trabalho, Carlos Tavares, apresentou o relatório sobre a Reforma da Supervisão Financeira.  Mas a versão final dessa reforma, tarda em ver a luz do dia. A este atraso não são alheias as zonas de divergência que ainda persistem entre os reguladores do setor financeiro (Banco de Portugal, CMVM e ASF – Autoridade de Supervisão de Seguros e de Fundos de Pensões) e o Ministério das Finanças.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários