PremiumCEO da Somague: “Nós, empresas portuguesas, respeitamos os nossos concorrentes”

Eduardo Campos Pozuelo conseguiu reduzir a dívida da construtora do Grupo Sacyr de 200 para 45 milhões de euros em menos de três anos.

Eduardo Campos Pozuelo, CEO da Somague desde 2018, conseguiu reduzir a dívida da construtora do Grupo Sacyr de 200 para 45 milhões de euros em menos de três anos. Passados os tempos mais difíceis, é agora altura de crescer no mercado interno e em diversas frentes externas, em particular no setor ferroviário, onde a Neopul será uma ferramenta decisiva para ganhar concursos. Em entrevista ao Jornal Económico, Eduardo Campos afasta o rótulo de empresa espanhola e desvaloriza a aliança anunciada entre a Mota-Engil e a Teixeira Duarte.
Como tem sido a sua experiência como CEO da Somague nestes tempos difíceis?
É bom recordar que a primeira entrada no capital da Somague por parte da Sacyr, com a aquisição de uma parcela de 30%, ocorreu em 2000. Mais tarde, a Sacyr passaria a controlar 100% do capital da Somague. Assumi as funções de CEO da Somague em junho de 2018, mas sou quadro da Sacyr desde 2002. Nessa altura, já se encontravam muitas pessoas da Somague em Espanha. Entre outras funções, fui diretor de obras de auto-estradas, de aeroportos, fui responsável por diversas áreas geográficas do grupo. Depois, iniciei um périplo pela área internacional do grupo, nomeadamente no mundo árabe, desde 2009 até 2018, desde a Líbia até à Argélia, Qatar, Arábia Saudita, Koweit. Fui o responsável da Sacyr para os países árabes. Foi uma oportunidade de conhecer culturas distintas. Trata-se de países muito interessantes. Estamos muito bem implantados no Qatar. Infelizmente, a Líbia ficou esquecida pela Europa. A Líbia está órfã. Depois, vim diretamente para Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Construção e Imobiliário: impactos da pandemia e perspetivas futuras

As ações de mitigação a tomar nos próximos anos são sobretudo de caráter político-económico, começando com investimento público como meio para estimular a economia e, subsequentemente, incentivar o desenvolvimento do setor privado.

Mota-Engil assina contrato de 1.490 milhões na Nigéria e Níger

O contrato, considerado o maior de sempre na história da construtora nacional, respeita à construção de uma linha férrea com cerca de 374 quilómetros de extensão que atravessa os dois países africanos e que terá um prazo de execução de 32 meses.

AG da Mota-Engil aprova aumento de capital de 100 milhões

O conselho de administração reunirá no próximo dia 11 de janeiro para colocar o processo em andamento. Na Assembleia Geral estiveram presentes representantes de quase 70% do capital.
Comentários