CTT e BCP penalizam praça lisboeta

O BCP (-2%) segue o desânimo da banca na Europa – sobretudo na bolsa de Madrid, onde as instituições bancárias recuam face a uma decisão da justiça que as obriga a pagar um novo imposto de selo relativo ao registo de hipotecas.

Paulo Whitaker/Reuters

Depois de ter aberto em alta, a bolsa portuguesa foi contagiada pelo pessimismo dos mercados financeiros europeus e negoceia agora em terreno negativo. Por volta das 10:00 desta manhã de sexta-feira, dia 19 de outubro, o principal índice do mercado português, PSI 20, recuava 0,48%, para 5.035,91 pontos.

A pressionar a praça lisboeta sobretudo as desvalorizações dos CTT – Correios de Portugal, cujos títulos perdem 2,41%, para 3,2400 euros, e BCP, que segue o desânimo da banca na Europa (sobretudo na bolsa de Madrid), e perde 1,97%, para 0,2235 euros. A cair estão ainda: Corticeira Amorim (-1,57%), Jerónimo Martins (-0,31%), Mota-Engil (-2,83%), NOS (-1,24%), Sonae (-1,30%) e Navigator (-2,07%).

Na setor energético, destaque para os ganhos da Galp Energia e EDP – Energias de Portugal, que estão em contraciclo. “A EDP apresentou ontem os seus dados operacionais previsionais para os primeiros nove meses do ano. Durante este período, a capacidade instalada cresceu 2% em termos anuais. A produção total de eletricidade aumentou 5% face ao mesmo período do ano anterior, com um crescimento de 25% na produção a partir de energia renovável”, salientam os analistas do Bankinter, num research de mercado publicado esta manhã.

“Más notícias para o setor bancário. A decisão do Supremo Tribunal, que alterou a sua sentença anterior, deu um duro golpe aos bancos espanhóis, alertando que são as instituições financeiras que devem ser responsabilizadas pelos impostos hipotecários. Um relatório da Moody’s indica que o custo para os bancos como resultado desta decisão será de mais de 4 mil milhões de euros. Isso não é nenhuma brincadeira, ainda mais com o que os bancos estão sofrer este ano com a incerteza política na Europa e as crises emergentes”, refere Sergio Avila Luengo, market analyst da IG.

As principais bolsas europeias negoceiam igualmente no ‘vermelho’. O índice alemão DAX recua 0,44%, o CAC 40 desvaloriza 0,67%, o italiano FTSE MIB perde 1,08%, o espanhol IBEX 35 deprecia 0,60% – onde BBVA (-1,61%), Bankia (-3,29%), Sabadell (-3,56%) e Santander (-1,21%) são alguns dos bancos com quedas mais fortes -, o holandês AEX desliza 0,11%, o britânico FTSE 100 perde 0,09% e o Euro Stoxx 50 recua 0,40%.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, avança 0,25% para 79,49 dólares, enquanto a cotação do crude WTI sobe 0,23%, para 68,81 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, destaque para a descida ligeira de 0,03% do euro face ao dólar (1,1450) e a valorização de 0,34% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,3139).

Ler mais
Recomendadas

Investidores institucionais e de retalho levam Fundo Allianz AI a superar os mil milhões em património

Este fundo, lançado inicialmente na Europa em março de 2017, foi desenhado especificamente para beneficiar do potencial disruptivo da Inteligência Artificial (AI).

Sonae, Corticeira Amorim, Mota-Engil e BCP sustentam PSI 20

O principal índice bolsista português avança 0,27%, para 4.927,21 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

Bolsa portuguesa abre em alta, impulsionada pelo setor do retalho

O principal índice bolsista português abriu a sessão desta segunda-feira a subir 0,44%, para 4.935,50 pontos.
Comentários