Desaceleração económica em 2019

Uma recessão não é o mais provável, mas é um cenário plausível. Em todo o caso, 2019 será um ano mais difícil do que o anterior.

Os dados mostram que o melhor do ciclo económico já está para trás e que em alguns países, como no caso da Alemanha, já se observa uma contração da economia, com a indústria a liderar o recuo na atividade.

As bolsas são habitualmente bons barómetros e não é por acaso que são incluídas nos indicadores avançados compósitos. Na Europa, o máximo histórico do Stoxx 600 foi atingido em janeiro de 2017, antecipando bem a desaceleração do segundo semestre de 2018. Nos EUA, isso apenas aconteceu em 21 de setembro, mas o sinal vai no mesmo sentido. A “guerra comercial”, a desaceleração na China, o Brexit, as eleições europeias e o “risco Trump” são fatores que estão a condicionar a evolução do produto.

Portugal, uma economia cada vez mais aberta dado o crescente impacto do turismo, está particularmente vulnerável a uma desaceleração global. Os indicadores de confiança e clima económico estão em queda há alguns meses e há indicadores de desaceleração na indústria e no emprego. Mas, claro, a situação apenas se complicará se vierem maus ventos da economia europeia.

Uma recessão – que é uma contração económica prolongada – não é o mais provável, mas é um cenário plausível. Em todo o caso, provavelmente 2019 será um ano mais difícil do que o anterior.

Recomendadas

Paciência esgotada? Fed deverá abrir hoje a porta para corte da taxa de juro

Debaixo de pressão intensa de Trump e da guerra comercial, Jerome Powell deverá manter as taxas inalteradas, mas vai aproveitar a reunião que termina esta quarta-feira para sinalizar um corte na ‘federal funds rates’ em julho ou em setembro, segundo os analistas. A projeção para a inflação deverá ser revista em baixa.

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Ásia e sustentabilidade: as lentes dos investidores em 2030, segundo a Allianz Global Investors

O “Investment Fórum 2019” da gestora de investimentos do grupo alemão Allianz, que se realizou em Frankfurt, concluiu ainda que a probabilidade de a guerra comercial continuar é significativa.
Comentários