Desaceleração económica em 2019

Uma recessão não é o mais provável, mas é um cenário plausível. Em todo o caso, 2019 será um ano mais difícil do que o anterior.

Os dados mostram que o melhor do ciclo económico já está para trás e que em alguns países, como no caso da Alemanha, já se observa uma contração da economia, com a indústria a liderar o recuo na atividade.

As bolsas são habitualmente bons barómetros e não é por acaso que são incluídas nos indicadores avançados compósitos. Na Europa, o máximo histórico do Stoxx 600 foi atingido em janeiro de 2017, antecipando bem a desaceleração do segundo semestre de 2018. Nos EUA, isso apenas aconteceu em 21 de setembro, mas o sinal vai no mesmo sentido. A “guerra comercial”, a desaceleração na China, o Brexit, as eleições europeias e o “risco Trump” são fatores que estão a condicionar a evolução do produto.

Portugal, uma economia cada vez mais aberta dado o crescente impacto do turismo, está particularmente vulnerável a uma desaceleração global. Os indicadores de confiança e clima económico estão em queda há alguns meses e há indicadores de desaceleração na indústria e no emprego. Mas, claro, a situação apenas se complicará se vierem maus ventos da economia europeia.

Uma recessão – que é uma contração económica prolongada – não é o mais provável, mas é um cenário plausível. Em todo o caso, provavelmente 2019 será um ano mais difícil do que o anterior.

Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários