Donald Trump: NATO? Qual NATO?

Cada vez mais analistas estão convencidos que o presidente dos Estados Unidos está a instrumentalizar a NATO para enfraquecer a Europa. E que, num eventual segundo mandato, pode acabar com ela.

Jim Lo Scalzo/REUTERS
Ler mais

Era suposto custar 800 milhões de euros, depois a fatura subiu para os 1.000 milhões por causa dos atrasos e finalmente a NATO teve de pagar 1,17 mil milhões para ter um edifício-sede absolutamente colossal em Bruxelas, mas cada vez mais analistas consideram seriamente a hipótese de o edifício vir a ter de ser rapidamente reconvertido para outra função qualquer.

A entrada de rompante de Donald Trump na cimeira desta quinta-feira faz regressar as piores hipóteses para o centro da agenda: o presidente dos Estados Unidos começou por enviar, na passada semana, uma carta para várias capitais europeias a recordar o compromisso de que cada Estado-membro da NATO deveria disponibilizar 2% do PIB para gastos militares.

Já esta quarta-feira, decidiu aconselhar esses mesmos países a que alternativamente gastassem 4% do PIB (um aumento de 100%, portanto) – ao mesmo tempo que tecia inesperadas considerações sobre o facto de a Alemanha ser um grande cliente do gás e do petróleo russos, o que, nas suas palavras, coloca o governo de Angela Merkel ‘nas mãos’ de Vladimir Putin.

Salvo melhor opinião, Trump chamou ‘traidora’ a Merkel: está na cimeira da NATO, mas ‘engajada’ com o ‘inimigo’­ – supondo-se que a Rússia é o inimigo – a quem tem de agradar, sob pena de Putin, carregando numas alavancas e nuns botões, colocar a Alemanha sem gás para corrigir as asperezas do inverno e com os automóveis parados no meio das ruas por falta de combustível.

A tudo isto faziam ontem referência vários analistas, que, convergindo no espanto com que receberam as palavras de Trump – ditas num encontro com o secretário-geral da NATO, o norueguês Jens Stoltenberg, ex-primeiro-ministro galardoado em 2011 pela ONU a propósito do seu envolvimento pessoal nas questões das alterações climatéricas, algo que para Trump deve ser incompreensível – colocaram abertamente a pergunta: a NATO sobreviverá a Trump?

Jonathan Marcus, especialista da BBC em diplomacia, responde: provavelmente não. “Os diplomatas da NATO resignaram-se a negociar os altos e baixos da presidência norte-americana. Agora, há receios genuínos de que um segundo mandato de Trump poderia deixar a organização marginalizada e sua espinha dorsal transatlântica seriamente danificada”.

Até porque, recorda o analista, a NATO está esvaziada de sentido: “desde o início, a NATO era uma aliança militar defensiva destinada a impedir qualquer ataque da então União Soviética. Terminada a Guerra Fria, a NATO definiu as novas tarefas: tentar espalhar a estabilidade em toda a Europa, acolhendo novos membros, estabelecendo uma ampla gama de parcerias com outros países, mas também usando a força de vez em quando (principalmente nos Balcãs) para prevenir agressões e genocídios. Mas a aliança sempre foi mais do que apenas uma organização militar: é uma das instituições centrais do ‘ocidente’, parte de toda uma série de organismos internacionais através dos quais os Estados Unidos e seus aliados procuraram regular o mundo que emergiu da derrota dos nazis em 1945. Mas fundamentalmente, a NATO é uma aliança de valores partilhados e de unidade transatlântica. E é por isso que a chegada do Sr. Trump à Casa Branca está a mostrar-se tão perturbadora”.

E é perturbadora desde logo porque, nas palavras do analista Francisco Seixas da Costa ao Jornal Económico, “há uma clara intensão de Trump desestabilizar e dividir a União Europeia”. E a NATO é apenas mais um instrumento dessa estratégia de ‘fazer a América grande outra vez’, à custa do apoucamento dos seus parceiros tradicionais e da divisão dos seus concorrentes.

“Questionar o valor da NATO por parte dos Estados Unidos é algo novo e profundamente preocupante para muitos dos parceiros de Washington”, prossegue o analista da BBC, para quem os novos desafios – “o ressurgimento da Rússia, a guerra cibernética e digital, o terrorismo, a imigração em massa” – continuam a requerer uma resposta comum.

E é essa resposta comum que Donald Trump coloca em causa pela segunda vez (nas duas cimeiras em que esteve presente) quando releva salienta a importância do que separa os Estados Unidos dos outros Estados-membros, ao invés de salientar o que os une. A conclusão parece evidente: o que os une já é quase nada.

A acrescentar ao mal-estar que se instalou no megalómano edifício da NATO em Bruxelas acrescenta-se ainda o facto de Trump ter encontro marcado com o presidente russo dentro de poucos dias em Helsínquia, na Finlândia – que por acaso fez parte do império russo entre 1809 e 1917 e não por acaso não é membro da NATO (a Rússia desmotiva os seus vizinhos a entrarem na organização, como é o caso mais problemático da Ucrânia).

É neste quadro de absoluto desconforto entre duas partes cada vez mais em oposição que a NATO irá esta quinta-feira passar por mais uma cimeira com todos os ingredientes para ser penosamente constrangedora e se calhar uma das últimas. Até porque, como recorda Jonathan Marcus – e a própria Angela Merkel já sugeriu – talvez tenha chegado a hora de a Europa saber defender-se a si própria.

Relacionadas
Trump quer que membros da NATO consagrem 4% do PIB à Defesa
“Durante a sessão de hoje da cimeira da NATO, o Presidente sugeriu que os países não só cumpram o compromisso de destinar 2% do seu PIB a gastos com Defesa, mas que o elevem a 4%”, indicou aos jornalistas em Bruxelas a porta-voz da Casa Branca.
Trump acusa Merkel de estar “a enriquecer a Rússia”
O presidente dos Estados Unidos resolveu incendiar a cimeira da NATO, desta vez tendo como alvo a Alemanha e os seus negócios com a Rússia na área das energias.
Recomendadas
Respostas Rápidas: Que produtos foram afetados pelas tarifas dos EUA à China?
Em que ponto está a guerra comercial? Qual a lista de produtos impactados? Como reagiu a China? O que dizem os analistas? Segundo os cálculos do instituto alemão Ifo, estas tarifas irão travar o crescimento da China em 0,1 a 0,2 pontos percentuais e colocar a Europa numa posição mais forte.
Kim Jong-un diz que cimeira com Donald Trump estabilizou a segurança regional
O líder da Coreia do Norte enalteceu hoje a cimeira realizada com Donald Trump, presidente dos EUA, na medida em que estabilizou a segurança regional. Jong-un também disse que espera obter mais progressos na próxima cimeira inter-coreana.
China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares
A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).
Comentários