Esquema permite tirar a carta sem aulas de condução

IMT desvaloriza a situação e assegura que “os sistemas de monitorização foram certificados de acordo com o legalmente estabelecido, estando sujeitos a fiscalização”.

Várias escolas de condução estão a utilizar indevidamente o novo sistema de monitorização das aulas de condução, havendo inclusive casos de alunos que vão a exame sem frequentar uma única aula, dá conta o “Jornal de Notícias” esta terça-feira, 13 de agosto.

Em vigor desde 2017, o sistema de registo das aulas funciona através de um smartphone ou de um tablet e permite que várias aulas de condução fiquem registadas, assumindo a presença do aluno, embora esse aluno possa nem ter estado presente. Este sistema está desenhado para contabilizar a distância percorrida, a velocidade média e a duração da aula.

De acordo com o JN, que cita fontes, os instrutores têm a possibilidade de levar consigo três ou quatro aparelhos num só carro com os dados dos alunos, evitando assim o desgaste nas viaturas e poupanças ao nível do combustível. Ou seja, é possível manipular o sistema de monitorização das aulas de condução ao ponto de vários alunos serem registados como se estivessem presentes nas aulas, embora não tenham estado lá.

O Instituto de Mobilidade e dos Transportes (IMT) desvaloriza a situação e assegura que “os sistemas de monitorização foram certificados de acordo com o legalmente estabelecido, estando sujeitos a fiscalização”

 

Recomendadas

Cabras sapadoras portuguesas em destaque no New York Times

O projeto-piloto do Governo, estreado o ano passado, mereceu destaque na publicação norte-americana. Existem perto de 11 mil cabras sapadoras em Portugal, e estão encarregues de quase três mil hectares das áreas mais vulneráveis aos incêndios.

Mercadona abre loja em Barcelos em setembro

Este é o primeiro supermercado da empresa espanhola no distrito de Braga. Até ao fim do ano, a empresa vai abrir mais uma loja neste distrito.

25% dos nascimentos em Portugal acontecem durante o verão

Portugal encontra-se ligeiramente abaixo da média europeia nos bebés nascidos durante o verão. Malta é o país que apresenta a média mais baixa da União Europeia, com a Estónia e a Eslovénia a apresentarem a média mais alta.
Comentários