Esquema permite tirar a carta sem aulas de condução

IMT desvaloriza a situação e assegura que “os sistemas de monitorização foram certificados de acordo com o legalmente estabelecido, estando sujeitos a fiscalização”.

Várias escolas de condução estão a utilizar indevidamente o novo sistema de monitorização das aulas de condução, havendo inclusive casos de alunos que vão a exame sem frequentar uma única aula, dá conta o “Jornal de Notícias” esta terça-feira, 13 de agosto.

Em vigor desde 2017, o sistema de registo das aulas funciona através de um smartphone ou de um tablet e permite que várias aulas de condução fiquem registadas, assumindo a presença do aluno, embora esse aluno possa nem ter estado presente. Este sistema está desenhado para contabilizar a distância percorrida, a velocidade média e a duração da aula.

De acordo com o JN, que cita fontes, os instrutores têm a possibilidade de levar consigo três ou quatro aparelhos num só carro com os dados dos alunos, evitando assim o desgaste nas viaturas e poupanças ao nível do combustível. Ou seja, é possível manipular o sistema de monitorização das aulas de condução ao ponto de vários alunos serem registados como se estivessem presentes nas aulas, embora não tenham estado lá.

O Instituto de Mobilidade e dos Transportes (IMT) desvaloriza a situação e assegura que “os sistemas de monitorização foram certificados de acordo com o legalmente estabelecido, estando sujeitos a fiscalização”

 

Recomendadas

Clínicas dentárias Smile.up e Cruz Vermelha vão tratar os dentes a quem procura emprego

“Sorrisos Felizes & Contagiantes” é uma campanha de responsabilidade social organizada pela Smile.Up – clínicas dentárias e pela Cruz Vermelha Portuguesa com o objetivo de prestar serviços de medicina oral a pessoas desfavorecidas que possam ser integradas no mercado de trabalho depois de corrigidos os seus problemas dentários.

Ministro do Ambiente diz que caudais do Tejo vão recuperar ainda este ano

O ministro do Ambiente disse hoje que o compromisso espanhol é que, em meados de dezembro, a barragem de Cedilho, no Tejo, “já terá uma quantidade de água” que permitirá o cumprimento da Convenção de Albufeira “sem qualquer sobressalto”.

Clube de Tavira e autarquia reúnem-se para encontrar solução para caso de jogadora muçulmana impedida de jogar

Fatima Habib, de 13 anos, foi impedida de jogar por querer atuar de acordo com os princípios muçulmanos: camisola e calças pretas por baixo do equipamento e um hijab na cabeça. Os Representantes do Clube de Basquetebol de Tavira e a autarquia local vão-se reunir para encontrar uma solução para que a jovem paquistanesa continue a jogar.
Comentários