Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

O candidato dos socialistas europeus (PSE) à presidência da Comissão Europeia (CE), o holandês Frans Timmermans, disse hoje que a sua família política nunca irá aliar-se à extrema-direita.

“O problema dos conservadores é a sua colaboração com a extrema-direita e agora vemos onde isso leva, como na Áustria”, referiu Timmermans, numa conferência de imprensa na cidade croata de Rijeka.

O candidato dos socialistas europeus falava sobre a crise que abalou este fim-de-semana o governo de coligação austríaco, na sequência de um escândalo de corrupção que envolveu o líder do partido de extrema-direita FPÖ e vice-chanceler, Heinz-Christian Strache.

No seguimento de revelações feitas por dois jornais alemães, Heinz-Christian Strache avançou, no sábado, com a sua demissão e o chanceler conservador austríaco, Sebastian Kurz, anunciou a rutura da coligação e a realização de legislativas antecipadas.

O FPÖ integrava, juntamente com o Partido Popular Austríaco (ÖVP, conservador), o executivo austríaco desde 2017.

“Nunca nos vamos aliar à extrema-direita, sob quaisquer circunstâncias (…). A nossa herança é a luta anti-fascista, e se chegar a presidente da CE, nunca irei buscar o apoio da extrema-direita”, frisou Timmermans.

O político holandês e atual primeiro vice-presidente da CE deslocou-se a Rijeka para participar no encerramento da campanha do Partido Social-Democrata croata (SDP) para as eleições europeias, que decorrem de 23 a 26 de maio nos 28 Estados-membros da União Europeia (UE).

Durante a ação eleitoral, Timmermans defendeu várias medidas para construir “uma Europa mais social”, como a introdução de um imposto de 18% sobre lucros que seria obrigatório para todas as empresas multinacionais.

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Ler mais
Relacionadas

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.
Recomendadas

Amazónia: Brasil diz que disponilizou aviões e 44 mil soldados para combater incêndios

Os ministros da Defesa e do Ambiente anunciaram os planos para combater as chamas na Amazónia, que já levaram a protestos internacionais e manifestações no Brasil, devido à forma como o Presidente, Jair Bolsonaro, lidou com a crise ambiental.

Boris Johnson defende que UE deve “deixar cair” rede de segurança irlandesa para evitar um não acordo

O dispositivo previsto no tratado do ‘Brexit’ para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que inclui o Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE, constitui um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas.

União Europeia quer ouvir propostas “realistas e aceitáveis” de Johnson sobre o ‘brexit’

Tusk recordou que Johnson será o terceiro primeiro-ministro britânico com o qual aborda o “brexit”, salientando que não está disponível para colaborar numa saída sem acordo do Reino Unido da união Europeia, prevista para 31 de outubro.
Comentários