Galamba decide e Ministério do Ambiente confirma: João Bernardo é o novo diretor-geral de Energia

João Galamba, recém-nomeado secretário de Estado da Energia, terá estado na origem do afastamento do diretor geral de energia, Mário Guedes.

O Ministério do Ambiente emitiu há minutos uma nota confirmando a substituição de Mário Guedes, anterior diretor geral de Energia, sem nunca referir o seu nome.

“A Direção-Geral de Energia e Geologia foi objeto de uma reestruturação, empreendida pelo Decreto-Lei n.º 69/2018, de 27 de agosto, a qual implicou a cessação das comissões de serviço dos seus dirigentes”, explica a referida nota.

O Ministério do Ambiente acrescenta que “foram designados, em regime de substituição, o diretor-geral e uma subdiretora-geral, respetivamente, João Pedro Costa Correia Bernardo e Maria José Silva Reis Espírito Santo, ambos pertencentes ao mapa de pessoal da Direcção-Geral de Energia e Geologia”.

A nota do Ministério do Ambiente adianta ainda que “foi mantida a comissão de serviço da subdiretora-geral Maria Cristina Vieira Lourenço”.

Diversos ‘media’ estão a especular que esta substituição do diretor-geral de Energia foi motivada pela recente nomeação de João Galamba para o cargo de secretário de Estado da Energia.

 

Ler mais
Relacionadas

João Galamba substitui diretor-geral de Energia

O novo secretário de Estado da Energia terá afastado o diretor-geral de Energia que tinha sido nomeado pelo seu antecessor, noticia o Público.
Recomendadas

Encher um depósito de gasolina já custa mais 10 euros do que em janeiro

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Ciclones custam 50 milhões à Galp

Prejuízo de milhões – ainda em avaliação – e meses de obras deitados por terra atrasam o parque de tanques de combustível da Galp na Beira, que agora não estará operacional antes de janeiro de 2020.

EDP registou prejuízo de 23 milhões em Portugal nos primeiros três meses do ano

Segundo os dados facultados pela EDP ao JE, o prejuízo no primeiro trimestre em Portugal prolonga a quebra nos resultados da empresa no mercado doméstico nos últimos anos. Além da fraca hidraulicidade, a empresa aponta para as alterações regulatórias que, segundo a empresa, tiveram uma impacto negativo de 2 mil milhões nas receitas entre 2012 e 2020.
Comentários