Galinhas, burros ou coelhos. Centenas de animais vivos estão à venda na internet

Por 45 euros é possível comprar um leitão. A saúde pública não está em risco e o comércio eletrónico é alvo de fiscalização, embora a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) não indique quantas inspeções fez no ano passado.

Centenas de animais vivos encontram-se à venda na internet. Alguns dos anúncios são colocados por vendedores com pseudónimos, mas o Ministério da Agricultura indica que este tipo de comércio paralelo não é um risco para a saúde pública, revela o “Jornal de Notícias” esta quarta-feira.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) está atenta a esta situação, mas não revela o número de ações de fiscalização levadas a cabo no último ano. Os anúncios de venda de animais vivos para consumo humano ultrapassam os quatro mil em plataformas como o OLX e Custo Justo.

Através de uma procura nestas plataformas é possível comprar uma galinha viva por sete a 10 euros, galos por 15 euros e até leitões para abate caseiro por 45 euros. Mas não só para consumo se encontram animais à venda pela internet. Existem anúncios para a comercialização de animais, onde por exemplo, um burro mirandês pode custar entre 300 a 600 euros.

O Ministério da Agricultura continua a considerar suficientes as regras existentes, que incidem apenas sobre o transporte de animais vivos.

Recomendadas

Presidente da República defende que Serviço Nacional de Saúde merece “constante aposta”

O Presidente da República disse hoje que o Serviço Nacional de Saúde, que nasceu há 40 anos e que representa uma das conquistas do 25 de Abril, “merece constante aposta em objetivos, orgânicas e meios de atuação”.

Zero alerta para falhas perigosas na gestão de resíduos eletrónicos

A associação Zero saudou hoje o reforço das inspeções à gestão de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos, alertando para ilegalidades no tratamento destes lixos que colocam em perigo a saúde e o ambiente.

Morreu Otávio Neto Varela, ex-embaixador de Portugal em Pequim

O diplomata Octávio Neto Valério, que participou nas negociações do acordo com a China para a transição de Macau, morreu na quinta-feira, aos 89 anos.
Comentários