Governo de Cabo Verde disponibiliza 40 mil contos anuais para programa de mestrados

O programa, segundo o chefe-executivo cabo-verdiano, tem por finalidade contribuir para dotar o país de quadros altamente preparados para competição global nos domínios de negócio, da governação e da investigação e para a melhoria da qualidade da gestão das instituições públicas e privadas.

O primeiro-ministro de Cabo Verde anunciou que, anualmente, vão disponibilizar 40 mil contos para o programa Bolsa Cabo Verde Global, que visa garantir o acesso e frequência de jovens cabo-verdianos em programas de master executivo em instituições de referência internacional.

Ulisses Correia e Silva fez este anúncio à margem da cerimónia de apresentação pública dos resultados dos seleccionados para o programa Bolsa Cabo Verde Global e Bolsa de Investigação, que teve lugar na sala de Conferências do Palácio do Governo, na cidade da Praia.

“O governo aprovou, recentemente, uma resolução que afecta, anualmente, 40 mil contos para o financiamento deste programa, sem prejuízo de eventuais outras contribuições. Quero aqui assegurar que anualmente serão lançados concursos para podermos financiar a participação daqueles que serão seleccionados”, assegurou.

O programa Bolsa Cabo Verde Global, segundo o chefe-executivo cabo-verdiano, tem por finalidade contribuir para dotar o país de quadros altamente preparados para competição global nos domínios de negócio, da governação e da investigação e para a melhoria da qualidade da gestão das instituições públicas e privadas.

Para este ano, foi selecionado oito candidatos, sendo cinco para formação de Gestão na Academia Executiva Global na Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) e três para Bridgewater State University.

Ainda com vista a dotar os jovens e quadros de competências, conhecimento e experiências, avançou que o Governo está e vai celebrar protocolos com instituições de referências, designadamente Massachusetts Institute of Tecnology (MIT), Harvard University, Bridgewater State University, Mass Maritime Academy, nos Estados Unidos da América e Universidade Getulio Vargas do Brasil e Universidade Nova de Lisboa.

“A Malásia também disponibilizou bolsas de formação a Cabo Verde que vão ser enquadradas neste programa Bolsa Cabo Verde Global. Portanto, temos um leque de ofertas interessantes as instituições de referência mundial e de grande qualidade”, acrescentou.

Ulisses Correia e Silva anunciou ainda que o governo e um banco vão lançar na ilha do Sal, no âmbito do fórum de investimentos, uma de linha crédito para formação de pilotos. “Esta é uma área onde Cabo Verde tem necessidade para operacionalizar o conceito de hub, mas é uma área onde existe o mercado externo, para aqueles pilotos que se formarem em Cabo Verde possam servir aqui nas companhias cabo-verdianas e poderem ter acesso ao mercado externo se assim o entenderem”.

E aproveitou ainda para informar que, recentemente, o Governo aumentou o financiamento de investigação agrária através do INIDA e que foi aprovada uma bolsa específica de formação de veterinários.

Enquadrada nesta cerimónia foi feita a apresentação dos resultados do concurso bolsa de investigação, em que, segundo o director do Ensino Superior, Aquilino Varela, foi seleccionado, nesta primeira fase, nove projetos para financiamento nas áreas de Património Histórico e Nacional, Agricultura e Pecuária e Marítimo, Marinha e Náutica.

Ulisses Correia e Silva informou que os investigadores terão oito meses para apresentar os resultados dos seus trabalhos, que vão ser desenvolvidos no país. Esta bolsa, informou, é de cerca de 12.700 contos, mas durante a sua intervenção o primeiro-ministro prometeu, nos próximos anos, aumentar o financiamento desta bolsa de investigação.

Ler mais
Recomendadas

BICV e Ecobank emprestam 21 milhões de euros à Cabo Verde Airlines

Os representantes dos bancos, BICV e Ecobank, que vão assegurar este financiamento assumiram acreditar no projeto, classificando-o de “estratégico” para Cabo Verde.

Governo de Cabo Verde vai impedir interferência na aprovação do orçamento do banco central

Segundo o ministro das Finanças cabo-verdiano, os órgãos do Banco de Cabo Verde terão “todos os poderes para fazer a gestão da instituição e prestar contas às entidades externas nos termos que a lei dispõe”.

Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.
Comentários