Governo de Espanha pondera penalizar os proprietários de apartamentos vazios

No âmbito de uma reforma da Lei de Arrendamentos Urbanos, o Governo liderado por Pedro Sánchez pretende também aumentar a duração dos contratos de arrendamento e colocar no mercado mais de 20 mil imóveis de carácter social.

O aumento dos preços de arrendamento de imóveis em Espanha acelerou nos últimos meses, sobretudo nas grandes cidades e zonas turísticas, pelo que o Governo liderado por Pedro Sánchez pretende reformar a Lei de Arrendamentos Urbanos para debelar o problema. Entre as principais medidas que estão a ser ponderadas, destaca-se o aumento da duração dos contratos de arrendamento, a colocação no mercado de mais de 20 mil imóveis de carácter social e a penalização dos proprietários de apartamentos vazios.

De acordo com o jornal “El Economista”, o preço do arrendamento de imóveis cresce a uma taxa anual de 15% em Espanha. O primeiro-ministro Pedro Sánchez já expressou a sua preocupação com este aumento por várias vezes. E tem avançado com propostas. Além das anteriormente referidas, tenciona melhorar o financiamento através do Instituto de Crédito Oficial, a par de uma revisão dos programas de apoios aos jovens.

O Governo de Sánchez também está a preparar medidas fiscais para estimular a oferta. A limitação do parque habitacional em Espanha é uma das suas principais preocupações. Nesse sentido, hoje foi revelado que está disposto a penalizar os proprietários de imóveis vazios, segundo noticiou o jornal “El País”. Por seu lado, o ministro do Fomento, José Luis Ábalos, antecipou que se está a fazer um levantamento dos apartamentos vazios de grandes proprietários. O Governo pondera “adotar medidas coercivas” sobre essas situações.

O setor do imobiliário reagiu negativamente a estas intenções do Governo. “Não tem muito sentido, a história demonstra que todas as restrições que se introduzem no mercado fazem com que os preços aumentem”, declarou o presidente da Sociedad de Tasación, Juan Fernández-Aceytuno, citado pelo jornal “El Economista”.

Recomendadas

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.

“Bolachas Ronaldo”. Café português no Reino Unido envolto em polémica

Relação das bolachas ao alegado caso de violação que envolve, nos Estados Unidos, o futebolista português Cristiano Ronaldo desencadeou uma série de comentários negativos.

António Costa sobre OE2019: “Reduz défice, dívida e aumenta investimento público”

Primeiro-ministro apresentou o OE2019 aos deputados socialistas e não poupou elogios ao documento: “este Orçamento melhora a vida dos portugueses”.
Comentários