Governo quer refugiados a trabalhar na agricultura e turismo

A medida de deslocar refugiados para o interior do país conta já com o envolvimento de cerca de cem municípios e visa “a melhor integração possível” ao nível socioprofissional.

O Governo de António Costa quer mobilizar os refugiados acolhidos no país para trabalharem na agricultura e no turismo, dois setores de atividade onde há mais mão de obra. A medida de deslocar refugiados para o interior do país conta já com o envolvimento de cerca de cem municípios e visa “a melhor integração possível” ao nível socioprofissional, avança a edição desta terça-feira, 9 de outubro, do “Jornal de Notícias”.

“Conhecidas que são as necessidades em determinados setores de atividade, de que são exemplo, o turismo, a agricultura, a pecuária, a exploração florestal, a metalurgica e metalomecânica, o calçado, as tecnologias de informação e conhecimento, entre outros, pretende-se levar a cabo iniciativas que fomentem a integração no mercado de trabalho: formação, estágios, emprego e empreendedorismo”, explica fonte do Ministério da Presidência.

Dos 1692 refugiados acolhidos por Portugal, 923 permanecem no território. Os distritos com maior número de acolhimento são Lisboa, Braga, Porto e Aveiro. Até ao final de 2019, vão ser reinstaladas em Portugal 1.010 refugiados em território nacional.

Recomendadas

Seguros de saúde sobem para 2,6 milhões com crise no SNS

No primeiro semestre de 2018 o número de contratos de seguros de saúde aumentou 3%, em termos homólogos.

PSP tem critérios étnicos para avaliar risco dos bairros

Apesar de não ser permitido recolher dados sobre etnias ou raças, a polícia utiliza-os para classificar zonas urbanas sensíveis, apurou o “Público”.

Vaticano na hora das grandes mudanças

Durante dois dias, o Estado do Vaticano vai debater uma das suas leis fundamentais: a Constituição Pastor Bonus sobre a Cúria Romana. Para alguns observadores, é um dos entraves ao postulado do Papa Francisco.
Comentários