Governo quer refugiados a trabalhar na agricultura e turismo

A medida de deslocar refugiados para o interior do país conta já com o envolvimento de cerca de cem municípios e visa “a melhor integração possível” ao nível socioprofissional.

O Governo de António Costa quer mobilizar os refugiados acolhidos no país para trabalharem na agricultura e no turismo, dois setores de atividade onde há mais mão de obra. A medida de deslocar refugiados para o interior do país conta já com o envolvimento de cerca de cem municípios e visa “a melhor integração possível” ao nível socioprofissional, avança a edição desta terça-feira, 9 de outubro, do “Jornal de Notícias”.

“Conhecidas que são as necessidades em determinados setores de atividade, de que são exemplo, o turismo, a agricultura, a pecuária, a exploração florestal, a metalurgica e metalomecânica, o calçado, as tecnologias de informação e conhecimento, entre outros, pretende-se levar a cabo iniciativas que fomentem a integração no mercado de trabalho: formação, estágios, emprego e empreendedorismo”, explica fonte do Ministério da Presidência.

Dos 1692 refugiados acolhidos por Portugal, 923 permanecem no território. Os distritos com maior número de acolhimento são Lisboa, Braga, Porto e Aveiro. Até ao final de 2019, vão ser reinstaladas em Portugal 1.010 refugiados em território nacional.

Recomendadas

Presidente da União das Mutualidades nacional assume vice-presidência da União Mundial das Mutualidades

O Movimento Mutualista congrega cerca de uma centena de mutualidades, abrangendo dois milhões e meio de beneficiários, o equivalente a um quarto da população portuguesa. A proteção social, saúde, educação, ação social, turismo e lazer, caixas económicas, secções fúnebres, formação profissional, artes e cultura são áreas em que o Mutualismo atua.

PJ detém português suspeito de colaborar com o Estado Islâmico

O suspeito estava radicado no Reino Unido, de onde prestava apoio a combatentes da organização terrorista conhecida como Daesh.

Médicos enviam pré-aviso de greve para 3 de julho

A Federação Nacional dos Médicos convocou uma paralisação e uma concentração de médicos para esse dia.
Comentários