Irão diz que o seu petróleo não vai deixar de chegar aos mercados

Em causa estão as sanções impostas pelos norte-americanos, que serão mais severas a partir de novembro. China e Índia, principais clientes do Irão, não vão cumprir o embargo que Trump quer impor.

O ministro do Petróleo iraniano, Biyan Zangeneh, disse esta segunda-feira que é “impossível” os Estados Unidos terem sucesso na eliminação de petróleo iraniano do mercado a médio prazo, apesar das sanções que entram em vigor em novembro próximo.

“Os Estados Unidos visam reduzir as exportações de petróleo iranianas a zero, mas esse sonho não se tornará realidade”, disse o ministro, citado pela agência de notícias oficial iraniana, a IRNA.

Zangeneh explicou que, no momento, a Coreia do Sul é o único país que cortou as suas importações de petróleo iraniano pelo terceiro mês consecutivo, corte que não se fez sentir em relação a qualquer outro cliente.

Washington tem pressionado os compradores asiáticos e africanos de petróleo iraniano para reduzirem ou mesmo suspenderem as suas importações e ameaçou com sanções contra quem compra petróleo do Irão. Recorde-se que, no início de novembro, um segundo pacote de sanções norte-americanas contra o Irão passará a ter efeitos, depois de um primeiro pacote ativado este mês – tudo por causa do plano nuclear do Irão, que os Estados Unidos insistem em afirmar que não está a ser cumprido.

Os principais importadores de petróleo iraniano, China e Índia, já disseram que não estão dispostos a seguir as diretrizes dos Estados Unidos.

O presidente norte-americano, Donald Trump, também exigiu recentemente à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) medidas para baixar os preços do petróleo, através do aumento da produção.

No entanto, na última reunião da OPEP e de outros produtores (entre os quais a Rússia) este fim-de-semana em Argel, os países envolvidos não chegaram a qualquer acordo sobre um possível aumento da produção e decidiram mesmo adiar uma decisão nesse sentido.

Zangeneh ficou satisfeito com o resultado da reunião e observou que nenhum país deu uma resposta positiva a Trump.

O ministro iraniano afirmou que a OPEP é “um órgão independente e não um ramo do Departamento de Energia dos Estados Unidos”.

O Irão exportou 2,3 ​​milhões de barris de petróleo por dia a partir do final de março e até ao final de julho passado, número que não inclui as vendas de gás condensado.

Ler mais
Recomendadas

Movimento dos ‘coletes amarelos’ continua a diminuir com desorganização em Paris

O movimento dos “coletes amarelos” continua a perder fôlego, contando este sábado com cerca de 12.500 manifestantes em toda a França, segundo o Ministério do Interior, e 2.100 manifestantes em Paris, em pequenos desfiles dispersos pela capital.

Comissão política do ADI expulsa presidente eleito hoje em congresso em São Tomé

A comissão política do partido Ação Democrática Independente (ADI), na oposição em São Tomé e Príncipe, decidiu expulsar 14 militantes, incluindo Agostinho Fernandes, hoje eleito presidente do partido, por aclamação, num congresso que aquele órgão não reconhece.

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.
Comentários