Mariano Rajoy apresenta medidas de aplicação do artigo 155

O chefe do Governo de Espanha está em plenário para apresentar as medidas de aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola e pediu ao Senado autorização para destituir o presidente da Generalitat. No seu discurso, criticou a região autónoma da Catalunha por ter tentado “ignorar as leis, revogá-las e quebrá-las”.

Ler mais

O chefe do Governo de Espanha está em plenário para apresentar as medidas de aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola e pediu ao Senado autorização para destituir o presidente da Generalitat.

“É a primeira vez desde 1978 que o artigo 155 é adotado porque a situação é excepcional”, explicou Mariano Rajoy. O líder espanhol disse que vai aproveitar esta “mudança para influenciar alguns aspetos” e espera que a sua “intervenção ajude a decidir com melhor conhecimento de causa”, acrescentando que pede o apoio aos deputados para avançar com uma proposta concreta.

No discurso no Senado, o número um do executivo espanhol criticou a região autónoma da Catalunha por ter tentado “ignorar as leis, revogá-las e quebrá-las”. “Além disso, o Tribunal Constitucional foi ignorado. Mas tudo tem estado igual (…). Houve um referendo ilegal sem garantias e, em seguida, afirma-se que as pessoas da Catalunha expressaram livremente”, enfatizou.

Madrid caracterizou o comportamento de Barcelona como repleto de uma série de “decisões antidemocráticas” e “contrárias à lei”, aos valores europeus, bem como ao “comportamento normal em qualquer país democrático”. O presidente do governo espanhol frisou ainda que as decisões catalãs arrasam minorias.

“Ao presidente da Generalitat [Carles Puigdemond] foi dito para esclarecer se declarava ou não a independência. Era necessário um esclarecimento sobre da sua parte. Não era difícil responder: se houve ou não”, referiu, solicitando aos presentes em plenário o voto para trazer de volta “a legalidade”. “Um país onde os governantes causam rebelião contra a lei é um país injusto, sujeito à lei do mais forte”, justificou.

https://twitter.com/Senadoesp/status/923821702685102080

Mariano Rajoy fez questão de explicar ao Senado que o artigo 155 “não é contra a Catalunha”, mas serve apenas para “evitar o abuso” desta região espanhola. “A história não vai julgar apenas os excessos e as ilegalidades que estamos a testemunhar na Catalunha, mas também aqueles que estão a decidir. Eu acredito que, além de pequenas mesquinhices, demos resposta à altura do que todos os espanhóis esperam”, concluiu o governante, o que mereceu uma ovação por parte da bancada do Partido Popular (PP).

As linhas mestras da aplicação do artigo 155 foram também apresentadas na conta do Twitter do PP: devolver a legalidade, recuperar a convivência, recuperação económica e convocar eleições.

 

Notícia atualizada às 9h49

Recomendadas

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

China diz que os EUA “não têm o direito” de interferir na cooperação militar da Rússia

A decisão da China de comprar caças e sistemas de mísseis da Rússia é um “ato normal de cooperação entre países soberanos e os Estados Unidos não tem o direito de interferir”, afirmou o porta-voz do ministério da Defesa, Wu Qian.
Comentários