Nicolás Maduro promete ser ‘implacável’ com tentativa de golpe de Estado

“O que pode acontecer é uma revolução mais radical, uma revolução mais profunda”, disse o presidente da Venezuela.

O presidente da Venezuela prometeu quarta-feira ser “implacável” se ocorrer uma tentativa de “golpe fascista” e ameaçou radicalizar a sua ação, voltando a referir-se a um suposto golpe de Estado evitado na semana passada.

“Seremos implacáveis numa contraofensiva revolucionária contra a tentativa de um golpe fascista”, afirmou Nicolás Maduro, num evento com apoiantes do chavismo.

O chefe de Estado enfatizou que as suas declarações não devem ser encaradas como uma ameaça: “o que pode acontecer é uma revolução mais radical, uma revolução mais profunda”.

Maduro informou que as autoridades estão a capturar militares ativos e aposentados, polícias e funcionários civis envolvidos no alegado golpe, que teria sido operacionalizado a partir de Colômbia, Estados Unidos e também em solo venezuelano.

Maduro disse que possui “mais de 56 horas” de gravações dos envolvidos e, após um longo período de 14 meses, deu “a ordem para os deter a todos”, atribuindo o fracasso desta insurreição fracassada ao “tremendo moral e consciência dos oficiais”.

Entre os alegados planos dos conspiradores estaria o assassínio de membros do Governo e de generais da Força Armada Nacional da República Bolivariana da Venezuela, bem como de pessoas ligadas aos chamados ‘coletivos’ – organizações que o apoiam -, bem como o uso de explosivos para “destruir serviços públicos”.

A Venezuela vive um período de intensa tensão política desde janeiro, depois de Maduro ter tomado posse para um segundo mandato, na sequência de eleições que a oposição considera fraudulentas.

O presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, autoproclamou-se Presidente interino, tendo sido reconhecido como tal por mais de 50 países.

Ler mais
Recomendadas

Inquérito à CGD: Alterações ao relatório final vão ser hoje discutidas

PS já sinalizou podem ser “densificadas” as conclusões referentes à gestão interna do banco público que apontam que CGD “não foi gerida de forma sã e prudente”. Enquanto Bloco de Esquerda (BE) assegurou que “todas ou quase todas as conclusões” do relatório, elaborado por João Almeida (CDS-PP), têm a “concordância” do BE. E PSD insiste em “suspeitas fundadas” de interferência política em financiamentos como fábrica da La Seda em Sines (projeto Artland) e a José Berardo.

CGD: Perdas relativas a créditos de Berardo representam 1% das provisões do banco, diz fonte próxima ao empresário

Em 2015, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) reconheceu quase metade como perdas, num total de 124 milhões de euros. Fonte próxima ao empresário diz que representa apenas 1% do total das provisões CGD entre 2006 e 2016.

CPI à CGD: PCP diz que “houve um desvio claro” da missão do banco público

O deputado do PCP Paulo Sá considerou hoje que houve “um desvio claro da CGD da sua missão como banco público”, e que a responsabilidade disso deve ser repartida pelos vários gestores do banco e pela tutela. “Houve um desvio claro da Caixa Geral de Depósitos [CGD] da sua missão como banco público. Isto é, […]
Comentários