OE2018: terrorismo e branqueamento pode levar a quebra do sigilo bancário

De acordo com uma versão preliminar da proposta do Orçamento, é acrescentada uma nova situação em que a Autoridade Tributária e Aduaneira pode aceder a dados de clientes de bancos e outras instituições financeiras

Cristina Bernardo
Ler mais

O Fisco deverá passar a ter acesso a informação de clientes bancários, quebrando o sigilo bancário, quando o Ministério Público ou Polícia Judiciária tenham suspeitas de operações relacionadas com terrorismo e branqueamento de capitais, segundo uma proposta orçamental preliminar.

De acordo com uma versão preliminar da proposta do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), datada de 10 de outubro, a que a Lusa teve acesso na quarta-feira ao fim do dia, é acrescentada uma nova situação em que a Autoridade Tributária e Aduaneira pode aceder a dados de clientes de bancos e outras instituições financeiras, quebrando o sigilo bancário.

Assim, é introduzida uma alínea nova ao artigo 63-B da Lei Geral Tributária (alínea i), que considera que há “fundamento da derrogação do sigilo bancário” por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira quando esta recebe “comunicação de operações suspeitas” vindas do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, da Procuradoria-Geral da República, e da Unidade de Informação Financeira, da Polícia Judiciária.

Esta quebra do sigilo bancário é permitida “no âmbito da legislação relativa à prevenção e repressão do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo”.

Ainda na lei geral tributária há uma alteração a uma obrigação declarativa dos bancos (na alínea 2 do artigo 63-A) e outras entidades financeiras que prestam serviços de pagamento, passando a ter declarar até final de março de cada ano as transferências que tiveram como destinatário “entidade localizada em país, território ou região com regime de tributação privilegiada mais favorável”, ou seja, territórios habitualmente chamados de ‘offshore’.

Até agora, os bancos têm até julho para cumprir esta obrigação declarativa, pelo que esta medida é antecipada em quatro meses.

Recomendadas
Haitong com prejuízos de 2 milhões no semestre. Resultado operacional é positivo
“O dinamismo positivo das receitas beneficiou do recente processo de reestruturação e reposicionamento do Banco, o qual tem vindo a assumir-se como a unidade de Corporate and Investment Banking do Grupo Haitong”, justifica o banco de investimento.
Santander em conversações comprar corretora britânica Peel Hunt
Segundo a “Sky News”, a aquisição será feita no sentido de reforçar a divisão da banca de investimento e de consolidar o setor com a entrada em vigor de uma nova diretiva dos mercados financeiros.
SIBS continua à procura de parceiro minoritário, mas “sem pressas”, diz Vítor Bento
A empresa detentora da rede Multibanco anunciou a intenção de vender uma participação minoritária no ano passado. O ‘chairman’ da empresa adianta que está em curso uma consulta de mercado, mas não há necessidade urgente de concluir a operação. O objetivo é ajudar a expansão internacional.
Comentários