Orçamento Regional para 2019 assente na área social, saúde e classe média

Na área fiscal a intenção do executivo madeirense passa pela continuidade da política assente no “baixar da carga fiscal sobretudo nos impostos do rendimento e não mexer tanto nos impostos de consumo”, assegura Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional.

A área social, a saúde, e o apoio à classe média serão as principais áreas de foco do Orçamento Regional para 2019. A garantia foi dada por Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional, durante a entrevista da edição de novembro do Económico Madeira que pode ser consultada aqui, onde o governante aborda, entre outros temas, as negociações em torno da taxa de juro do empréstimo com a República.

O Orçamento Regional será marcada pela continuidade pelo menos no que concerne à política fiscal.

“Queremos continuar a aliviar sobretudo nos impostos de rendimento e não mexer tanto nos impostos de consumo”, explicou o governante.

“Se nós dermos capacidade de rendimento a pessoa tem liberdade. Se quiser consumir vai pagar IVA, se quiser poupar faz uma gestão privada da sua poupança”, acrescentou o vice-presidente do executivo madeirense.

No que diz respeito ao baixar da carga fiscal às empresas Pedro Calado diz que a medida passa por “potenciar que as empresas tenham mais capacidade de investimento e de criar postos de trabalho”.

A intenção deste tipo de medidas passa por gerar “uma maior contribuição da segurança social, menos subsídios de desemprego” criando um ciclo que “permita o crescimento da economia e do consumo e o aparecimento de postos de trabalho”.

De referir que a entrega da proposta de Orçamento Regional e do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração da Madeira (PIDDAR) é realizado esta quinta-feira.

Ler mais
Recomendadas

PSD lamenta que executivo do Funchal não conceda estacionamento gratuito na época natalícia

Esta medida diz o PSD permitiria “revitalizar o comércio” e teria “um custo marginal” para a autarquia.

Comissão de utentes lamenta inaceitável adiamento de consultas na Madeira

O porta-voz da comissão de utentes diz que tem recebido relatos de pessoas que se deslocam de concelhos distantes e quando chegam ao local das consultas descobrem que foram canceladas, sem que exista uma data prevista para remarcação.

Albuquerque anuncia valorização salarial a jardineiros

A medida tem efeitos retroativos em novembro.
Comentários