Pandemia vai continuar em 2022, avisa OMS (com áudio)

A ideia da Covax seria que todos os países do mundo adquirissem as suas vacinas através do programa mas os países do G7, e também a União Europeia, começaram a adquirir vacinas diretamente às farmacêuticas.

A pandemia de Covid-19 vai manter-se em 2022, com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a admitir que a doença se “vai prolongar mais um ano que o necessário” por os países pobres não estarem a receber as vacinas que precisam para imunizar a população.

Para Bruce Aylward, responsável sénior da OMS, a crise pandémica “vai arrastar-se facilmente até 2022”. Atualmente, menos de 5% da população africana foi vacinada, em comparação com 40% da população de outros continentes.

Através do programa COVAX, Portugal doou 298.700 vacinas ao Senegal e também já doou 110 mil doses da AstraZeneca a Moçambique.

A ideia da Covax seria que todos os países do mundo adquirissem as suas vacinas através do programa mas os países do G7, e também a União Europeia, começaram a adquirir vacinas diretamente às farmacêuticas.

Aylward apelou para que os países ricos abram mão das suas vacinas em excesso, de forma a que as farmacêuticas conseguiam priorizar os países mais pobres. Para o responsável, os países com rendimentos elevados devem “fazer um balanço” dos seus compromissos de doações. “Posso dizer que não estamos no caminho certo. Precisamos realmente de acelerar ou sabem? Esta pandemia vai durar um ano a mais do que o necessário”, apontou.

Uma associação de caridade de vacinas adiantou que apenas uma em cada sete doses prometidas pelas farmacêuticas e países ricos estão a chegar aos países de baixos rendimentos.

Recomendadas

Farmácias fazem “tudo o que é humanamente possível” face à procura de testes

Segundo disse Ema Paulino à Lusa, na terça-feira as farmácias portuguesas realizaram 47.500 testes de antigénio, quando na sexta-feira anterior foram feitos cerca de 30.500 despistes do coronavírus.

Já foram multados 152 passageiros e 10 companhias nas fronteiras aéreas por falta de teste

Os dados do MAI avançam também que pelo menos 10 companhias aéreas foram multadas por terem transportado passageiros sem teste negativo à covid-19 ou certificado de recuperação, condições obrigatórias desde quarta-feira para entrar em Portugal continental através das fronteiras aéreas.

Câmara de Lisboa diz que ministra da Saúde tem de “pôr ordem” na vacinação

“A ministra tem de pôr a casa em ordem, tem de pôr os serviços de saúde em ordem e a funcionarem bem, coisa que não está a acontecer”, disse Ângelo Pereira, à margem de uma iniciativa a propósito do Dia Internacional de Pessoa com Deficiência.
Comentários