Passas, champanhe e valorizações no início de 2018?

Depois de um ano de ‘rally’ acionista, os analistas não vêem o fim à vista. Os setores preferidos para o próximo ano são a tecnologia e a banca.

Lucas Jackson/Reuters

A aproveitar o momento de retoma da economia global, de forma generalizada, as empresas somaram lucros e as ações subiram, este ano. O próximo poderá ser mais modesto, mas o mercado deverá continuar bulish, em parte devido a Donald Trump.

“Que ano que passou para a rentabilidade empresarial”, nota a BlackRock, no outlook de investimento para 2018, salientando que todas as grandes regiões aumentaram lucros a um ritmo superior a 10%, o crescimento mais robusto desde o início da retoma pós-crise. “Esperamos mais boas notícias em 2018, mas 2017 vai ser um feito difícil de seguir. Aumentos homólogos serão difíceis de replicar”.

Apesar disso, a gestora de ativos considera que o crescimento económico e os lucros vão continuar a beneficiar as ações. O foco está em especial nos Estados Unidos, onde vai entrar em vigor a reforma fiscal. A partir de janeiro, as empresas vão ter um corte nos impostos para 21% dos anteriores 35%, que deverá impulsionar os resultados, sendo que a BlackRock está a olhar com especial interesse para os setores tecnológico e financeiro dos mercados desenvolvidos.

A Europa deverá beneficiar também do momentum favorável e, na perspetiva da equipa de research do BiG – Banco de Investimento Global, poderá até ter uma performance melhor que os EUA. A explicação está no nível das avaliações do mercado de ações.

“Nos EUA, o dividend yield do S&P 500 está atualmente em linha com a mediana dos últimos 15 anos e já se encontra abaixo da yield das obrigações soberanas a 10 anos. Na Europa, o dividend yield do Euro Stoxx 600 já está abaixo da mediana histórica, mas continua bem acima das yields oferecidas pelas obrigações soberanas”, referem os analistas do BiG, acrescentanto que o perfil de crescimento “menos atrativo” na Europa, suporta a expetativa que o crescimento das receitas do índice chegue “mais facilmente ao pico”. Do lado das margens operacionais, também vêem margem para melhorias.

O outlook para os mercados emergentes também é favorável, sendo que Tom Wilson, da Schroders, considera que “as avaliações já não estão baratas, os a recuperação dos retornos vai continuar”. As melhorias nas condições económicas, acompanhadas de maior eficiência operacional e de gastos são identificados por Wilson como fatores que levaram à recuperação e que deverá extender-se para 2018. “Também assistimos a uma mudança em alguns ciclos de crédito de países emergentes, que são normalmente de natureza plurianual”, explicou.

Sobre a China, a Schroders projeta que seja penalizada pela desaceleração do crescimento devido à redução dos estímulos monetários e aos esforços por reforçar a regulamentação e diminuir os riscos para o sistema financeiro. Na Rússia, destaca que a baixa inflação vai dar espaço ao banco central para continuar políticas expansionistas que vão estimular o consumo e investimento, enquanto no Brasil o analista estima que as melhorias vão dependender na estabilidade orçamental. Para a Índia, a análise da Schroders aponta para um crescimento apoiado na recapitalização bancária.

Ler mais
Relacionadas

Especial 2018: Brilho de 2017 continua depois das 12 badaladas?

O índice nacional vai prolongar os ganhos no Ano Novo, segundo os analistas. No entanto, a desaceleração da economia pode ser um entrave.

Receita para um ano de bonança perfeita na praça lisboeta

A força da economia nacional, as subidas no ‘rating’ soberano, o sentimento positivo nos mercados globais e o disparo do BCP foram alguns dos ingredientes que alimentaram o regresso do PSI 20 às valorizações.

PSI20 fecha 2017 com ganhos acumulados de 15%, com Mota-Engil a brilhar

O PSI20 fechou 2017 com uma valorização de 15%, acima dos principais índices europeus, num ano em que a Mota-Engil se destacou, os CTT foram a ação mais penalizada e o BCP se tornou a cotada com mais peso.

Especial 2018: Onde vai o preço do petróleo?

Cortes de produção, petróleo de xisto e eventos geopolíticos foram os principais fatores que marcaram o mercado petrolífero o ano que termina e 2018 não deverá ser muito diferente.

Especial 2018: Haverá mudanças de liderança nas grandes empresas?

O novo ano começa com a possibilidade de mudanças de liderança em várias grandes empresas cotadas nacionais. Destacamos três: a EDP, o Novo Banco e os CTT.

Especial 2018: A bolha das criptomoedas vai rebentar?

Esta é a pergunta para um milhão de dólares – ou de euros -, porque estamos a falar de um crescimento mais do que exponencial deste mercado das criptomoedas.
Recomendadas

PremiumTesouro vai emitir mais mil milhões de euros em 2019

O aumento das necessidades de financiamento do Estado e as amortizações vão levar o Tesouro a emitir mais dívida que no próximo ano, que em 2018. No entanto, ao Fundo Monetário Internacional, o ministério das_Finanças não antecipa reembolsos.

Na ressaca da divulgação das minutas da Fed, Wall Street abre em baixa

O industrial Dow Jones cai 0,24%, para 25.645,56; o financeiro S&P 500 recua 0,26%, para 2.802,00; e o tecnológica Nasdaq perde 0,34%, para 7.616,47 pontos.

Lisboa resiste à queda das principais praças europeias, impulsionada pelos ganhos da Navigator e NOS

PSI 20 resiste à tendência “vermelha” europeia e avança 0,21%, para 5.068,55 pontos,
Comentários