Pedrógão Grande: PJ encontra indícios de negligência de quatro entidades

Os meios de socorro, a Proteção Civil, a Guarda Nacional Republicana e a Ascendi são os visados no inquérito da Polícia Judiciária.

Ler mais

A Polícia Judiciária encontrou indícios de negligência de quatro entidades nas vítimas mortais dos incêndios de Pedrógão Grande, noticia o Correio da Manhã, na edição desta sexta-feira.

Ao que as autoridades policiais apuraram, através de uma investigação, a negligência é dos meios de socorro, da Proteção Civil, da atuação dos elementos da Guarda Nacional Republicana que ordenaram que os automobilistas fossem para a ‘estrada da morte’ (EN236) e da Ascendi, responsável pela limpeza das bermas.

O inquérito em questão está a ser acompanhado pelo Ministério Público de Coimbra e levou a que fossem ouvidas quase 100 testemunhas, que confirmaram à PJ um conjunto de falhas que causaram a morte das 64 pessoas, de acordo com o que escreve o CM. Prevê-se que o processo termine ainda em 2017.

Segundo o matutino, tanto a PJ de Coimbra como o Ministério Público da mesma cidade deverão avançar para acusações de homicídio por negligência. Além disso, foi criada uma equipa especial para investigar o processo.

O Guardian foi a Pedrógão Grande e fez um vídeo arrepiante

Recomendadas

Táxis: Profissionais preparam-se para continuar protesto por tempo indeterminado

Os taxistas têm estado concentrados em Lisboa, Porto e Faro, com as viaturas paradas nas ruas, para tentar impedir a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

Lei ‘Uber’ foi “aprovada por 80% dos deputados”, recorda Uber Portugal

Uber Portugal reage ao protesto dos taxistas e esclarece que lei foi aprovada por 80% dos deputados. Para a Uber, a lei que regula a atividade de TVDE traz “estabilidade e segurança jurídica” aos motoristas e utilizadores da Uber.

Universidade do Porto proíbe praxes que “atentem contra a dignidade”

O novo reitor emitiu um despacho ameaçando de expulsão os alunos que perpetuarem atos contrários aos regulamentos. A Universidade já antes tinha assumido esta postura, que se vai multiplicando em todo o país.
Comentários