Portugal emite 1.400 milhões em dívida de curto prazo com taxas menos negativas

Num leilão em que o montante máximo indicativo era de 1.500 milhões de euros, o IGCP colocou um total 1.400 milhões de euros. Nas duas linhas – de seis e 12 meses – as taxas foram negativas, mas subiram face a leilões anteriores.

O Tesouro emitiu esta quarta-feira um total de 1.400 milhões de euros em dívida a seis e 12 meses, com as taxas a permanecerem em terreno negativo. mas a subirem face a leilões anteriores.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP colocou 1.000 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidade a 17 de maio de 2019, com a taxa média ponderada a ficar nos -0,270%, face aos -0,280% num leilão realizado em a 18 de julho.

Nos BT a seis meses, com maturidade a 22 de março de 2019, o Tesouro colocou 400 milhões de euros, tendo pago uma taxa de -0,317%, o que compara com os -0,339% no leilão de julho.

O montante indicativo era entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros.

A procura nos BT a 12 meses foi de 1,6 vezes a oferta, face a 2 vezes no leilão de julho, enquanto na maturidade a seis meses foi de 2,5 vezes, ligeiramente acima dos 2,4 vezes na última emissão.

Portugal tem beneficiado de condições favoráveis para emitir dívida tanto de curto como de longo prazo, sendo que no caso dos BT tem conseguido ao longo de todo o ano juros negativos.

Além desse ambiente de taxas baixas na zona euro, Portugal também tem vindo a beneficiar melhorias no rating no último ano. Na passada sexta-feira, a Standard & Poor’s subiu a perspetiva da notação da dívida soberana portuguesa para ‘positiva’, de ‘estável’, mantendo inalterado o rating em  ‘BBB-‘.

[Atualizada às 11h39]

 

 

Ler mais
Relacionadas

Tesouro vai leiloar hoje até 1.500 milhões de euros em dívida de curto prazo

Portugal tem beneficiado de condições favoráveis para emitir dívida tanto de curto como de longo prazo, sendo que no caso dos BT tem conseguido ao longo de todo o ano juros negativos.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

O mercado vai estar atento à reação da dívida portuguesa à melhoria da perspetiva pela S&P, enquanto na economia o foco estará na visita de António Costa a Luanda e no Procedimento dos Défices Excessivos.

Portugal paga menos a cinco anos e mais a 10 anos para emitir mil milhões em dívida

No primeiro leilão após o intervalo do verão, o IGCP vendeu 672 milhões em obrigações a 10 anos e 328 milhões em dívida a cinco anos. A taxa paga na dívida ‘benchmark’ subiu face ao leilão anterior, mas ficou abaixo do valor atual no mercado secundário.

Respostas Rápidas: o que é que a S&P prevê para a economia portuguesa?

A Standard & Poor’s melhorou na sexta-feira a perspetiva do notação soberana portuguesa para positiva. Veja aqui o panorama que a agência prevê para a economia portuguesa nos próximos anos.
Recomendadas

Na ressaca da divulgação das minutas da Fed, Wall Street abre em baixa

O industrial Dow Jones cai 0,24%, para 25.645,56; o financeiro S&P 500 recua 0,26%, para 2.802,00; e o tecnológica Nasdaq perde 0,34%, para 7.616,47 pontos.

Lisboa resiste à queda das principais praças europeias, impulsionada pelos ganhos da Navigator e NOS

PSI 20 resiste à tendência “vermelha” europeia e avança 0,21%, para 5.068,55 pontos,

‘Homebanking’ do Banco Carregosa adota autenticação com reconhecimento facial

O sistema biométrico, em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o ‘login’, cumpre pelo menos dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais de segurança. A app mobile foi desenvolvida pela tecnológica portuguesa Polygon para os sistemas operativos IOS e Android.
Comentários