Professores reacendem luta com emails a António Costa e entrega de postais no Conselho de Ministros

Os sindicatos da Fenprof concentram-se esta quinta-feira em frente ao Conselho de Ministros, que deverá aprovar alterações ao decreto-lei que aprovou, sem negociação, em 4 de outubro.

Sérgio Azenha/Lusa

Professores afetos aos sindicatos da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) concentram-se esta quinta-feira pelas 11h00 junto à Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde partem para a Presidência do Conselho de Ministros, na Rua Gomes Teixeira, onde o governo voltará a debater a questão do descongelamento das carreiras.

Aí chegados, os sindicatos da Fenprof entregarão milhares de postais de apoio à luta dos professores recolhidos junto da população. Para António Costa serão enviados milhares de e mails remetidos por professores. “Cada vez mais isolados, governo e PS liderados por António Costa insistem em apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço prestado pelos professores e educadores e preparam-se para perpetrar esse ato ilegal e discriminatório esta quinta-feira”, afirma a Fenprof.

Esta ação de luta, que já estava marcada, segue-se à reunião de ontem para a qual os sindicatos foram convocados com cerca de 24 horas de antecedência. À saída da reunião com as secretárias de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, da Administração Pública, Fátima Fonseca, o presidente da Fenprof, Mário Nogueira explicou que o governo não apresentou nada de novo e “insiste em apagar 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores, numa clara afronta e falta de respeito pelos docentes”.

O Conselho de Ministros deverá aprovar esta quinta-feira alterações ao decreto-lei que aprovou, sem negociação, em 4 de outubro. Os professores querem ver reconhecidos para efeitos de progressão da carreira o total de nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado, mas o governo quer reconhecer apenas dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço congelado.

O secretário-geral da Fenprof afirma que os professores não vão baixar os braços e vão manter a exigência de recuperação integral do tempo de serviço cumprido. Uma posição reforçada pela decisão de recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias pelos governos regionais da Madeira e dos Açores.

Relacionadas

Finanças: “As estruturas sindicais mantiveram a sua posição de intransigência”

“O Governo não deixará de reconhecer, através do decreto-lei, a recuperação de tempo de serviço docente, tendo por referência uma visão integrada do sistema de emprego público, num paralelismo com a diversidade de carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório”, lê-se no comunicado.

Professores voltam a não chegar a acordo com o Governo

“Vamos pedir uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Sindicatos dos professores com pé atrás voltam a sentar-se com o governo

Apesar de comparecerem na reunião desta tarde, os sindicatos receberam a convocação do Ministério da Educação com um pé atrás. A Fenprof reafirma que “não admitirá qualquer solução que apague tempo de serviço aos professores”.
Recomendadas

Espetáculo solidário pretende angariar fundos para ajudar famílias de crianças em tratamento hospitalar

“O melhor de Nós” é uma iniciativa da Clínica Sónia Costa em parceria com a Casa Ronald Macdonald, que acolhe de forma gratuita os familiares mais carenciados das crianças que se deslocam da sua área residência para tratamento no Centro Hospitalar de São João (CHUSJ) e no Instituto Português de Oncologia (I.P.O) do Porto.

Campo das Cebolas passa a ser Largo José Saramago. Alteração envolta em polémica

A alteração do nome não foi bem acolhida por todos. “Alterar a designação do Campo das Cebolas é um mau serviço à cidade e um mau serviço ao próprio José Saramago”, disse à TSF, João Pedro Costa, vereador do PSD na Câmara Municipal de Lisboa, que votou contra a alteração do nome.

Quanto vale uma música de Natal? Este tema vale mais de um milhão de euros por ano

“Merry Xmas Everybody”, da banda rock britânica “Slade” ocupa o primeiro lugar numa lista onde cabem entre outros, Mariah Carey, os Wham e Bing Crosby.
Comentários