Professores reacendem luta com emails a António Costa e entrega de postais no Conselho de Ministros

Os sindicatos da Fenprof concentram-se esta quinta-feira em frente ao Conselho de Ministros, que deverá aprovar alterações ao decreto-lei que aprovou, sem negociação, em 4 de outubro.

Sérgio Azenha/Lusa

Professores afetos aos sindicatos da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) concentram-se esta quinta-feira pelas 11h00 junto à Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde partem para a Presidência do Conselho de Ministros, na Rua Gomes Teixeira, onde o governo voltará a debater a questão do descongelamento das carreiras.

Aí chegados, os sindicatos da Fenprof entregarão milhares de postais de apoio à luta dos professores recolhidos junto da população. Para António Costa serão enviados milhares de e mails remetidos por professores. “Cada vez mais isolados, governo e PS liderados por António Costa insistem em apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço prestado pelos professores e educadores e preparam-se para perpetrar esse ato ilegal e discriminatório esta quinta-feira”, afirma a Fenprof.

Esta ação de luta, que já estava marcada, segue-se à reunião de ontem para a qual os sindicatos foram convocados com cerca de 24 horas de antecedência. À saída da reunião com as secretárias de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, da Administração Pública, Fátima Fonseca, o presidente da Fenprof, Mário Nogueira explicou que o governo não apresentou nada de novo e “insiste em apagar 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores, numa clara afronta e falta de respeito pelos docentes”.

O Conselho de Ministros deverá aprovar esta quinta-feira alterações ao decreto-lei que aprovou, sem negociação, em 4 de outubro. Os professores querem ver reconhecidos para efeitos de progressão da carreira o total de nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado, mas o governo quer reconhecer apenas dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço congelado.

O secretário-geral da Fenprof afirma que os professores não vão baixar os braços e vão manter a exigência de recuperação integral do tempo de serviço cumprido. Uma posição reforçada pela decisão de recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias pelos governos regionais da Madeira e dos Açores.

Relacionadas

Finanças: “As estruturas sindicais mantiveram a sua posição de intransigência”

“O Governo não deixará de reconhecer, através do decreto-lei, a recuperação de tempo de serviço docente, tendo por referência uma visão integrada do sistema de emprego público, num paralelismo com a diversidade de carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório”, lê-se no comunicado.

Professores voltam a não chegar a acordo com o Governo

“Vamos pedir uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Sindicatos dos professores com pé atrás voltam a sentar-se com o governo

Apesar de comparecerem na reunião desta tarde, os sindicatos receberam a convocação do Ministério da Educação com um pé atrás. A Fenprof reafirma que “não admitirá qualquer solução que apague tempo de serviço aos professores”.
Recomendadas

Enfermeiros: Sindicato acusa Governo de adulterar data do primeiro parecer da PGR

Segundo o requerimento entregue pelo advogado Garcia Pereira no Supremo Tribunal Administrativo (STA), que está a analisar a questão da requisição civil dos enfermeiros, o primeiro parecer do Conselho Consultivo da PGR foi votado quando já estava em curso a primeira greve em blocos operatórios.

Juízes desconvocam greve nacional marcada para sexta-feira

Direção da ASJP justifica a desconvocação da greve em todas as jurisdições e instâncias com o facto de ter havido uma aproximação de posições com o Governo.

Empresas têm de assegurar salário igual para homens e mulheres. Nova lei prevê multas

A Lei da Igualdade Salarial entra esta quinta-feira em vigor e, em caso de denúncia, os patrões são obrigados a fazer correções. O quadro-legal prevê a aplicação de multas para as empresas que não cumprirem.
Comentários