Programa de apoio já entregou cabazes de comida a 80 mil pessoas carenciadas

De acordo com a a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, “já foram distribuídas mais de 13.500 toneladas de alimentos” neste programa de cabazes alimentares.

O Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, criado no âmbito do Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas, já entregou cabazes alimentares mensais a cerca de 80 mil pessoas carenciadas, mais do que as 60 mil inicialmente previstas.

A notícia é avançada pelo “Público” na edição desta segunda-feira e cita um inquérito aos beneficiários da iniciativa, que será apresentado hoje. O diário generalista escreve ainda que o menu sofrerá alterações: contará também com tostas ou bolachas Maria, por exemplo.

“Não sei se a DGS vai recomendar que se inclua açúcar no cabaz, mas as pessoas pedem (…). Ainda bem que a dieta estabelecida foi com uma perspectiva que nenhum programa alimentar tinha tido”, afirmou ao jornal José Luís Albuquerque, diretor-geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

De acordo com a a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, “já foram distribuídas mais de 13.500 toneladas de alimentos” neste programa de cabazes alimentares, que teve um financiamento europeu na ordem dos 70 milhões de euros.

Cantinas sociais substituídas por cabazes alimentares

Ler mais
Recomendadas

Em 2050, vamos ser 10 mil milhões. Alimentos geneticamente modificados podem ser solução

Com um clima em constante alteração e um aumento da população mundial, a necessidade de responder à procura de alimentos vai-se agravar. O World Resources Institute sugere que alimentos geneticamente modificados sejam a solução.

Idanha-a-Nova vai ser a capital mundial da alimentação sustentável até domingo

O programa do FISAS – Fórum Internacional de Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis será composto por intercâmbios de conhecimento e de boas práticas agrícolas, visitas de campo e conferências em torno da agroecologia, agricultura familiar, agricultura biológica, acesso a recursos naturais, alterações climáticas, património agrícola e biodiversidade.

Presidente da WIPO diz que identidade cultural do vinho do Porto é uma das mais ameaçadas

Até esta quarta-feira, decorre em Lisboa o Simpósio Mundial sobre Indicações Geográficas, organizado pela WIPO (World Intellectual Property Organization). Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor da WIPO, Francis Gurry, explica a importância da proteção jurídica das indicações geográficas e nas denominações de origem na proteção dos produtos originais e fala sobre os desafios que se colocam, sobretudo aos produtos vinícolas portugueses, para garantir a sua utilização exclusiva por agentes económicos certificados, evitando o plágio.
Comentários