Prolongamento da guerra comercial abala fecho em Wall Street

Uma das entidades que já sofreu com esta possibilidade foi a CSX, ligada ao setor ferroviário e imobiliário e cujas as ações tombaram 9,9%.

Brendan McDermid / Reuters

A bolsa de Wall Street fechou a sessão desta quarta-feira em sobressalto derivado a que um eventual prolongamento da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China possa vir a prejudicar os lucros das empresas.

Uma das entidades que já sofreu com esta possibilidade foi a CSX, ligada ao setor ferroviário e imobiliário e cujas as ações tombaram 9,9%, (a maior quebra desde 2008), após a empresa ter divulgado um lucro trimestral abaixo do que o esperado e reduzir as previsões das receitas para o resto o ano.

O tecnológico Nasdaq encerrou a sessão a cair 0,75% para 7,883.50 pontos, o alargado S&P 500 desce 0,77% para 2,983.88 pontos, provocado pela queda da CSX, enquanto o industrial Dow Jones desvaloriza 0,42%, para 2,983.88 pontos.

Apesar de uma pausa nas tarifas adicionais dos Estados sobre produtos chineses, “nenhuma das questões subjacentes foi realmente colocada de parte”, referiu Ed Campbell, diretor administrativo da QMA. “É um fator de risco que pode voltar a qualquer momento”, sublinhou.

No entanto, “as persistentes preocupações relacionadas com o comércio são um fator crítico que sustenta os cortes esperados na taxa de juros do Fed no final deste mês”, afirmou Ed Campbell.

Além do CSX, as ações de outras empresas ferroviárias também caíram, como foi o caso da Norfolk Southern (6,3%), da Union Pacific (6,2%) e da Kansas City Southern (4,4%) , sendo que as duas últimas vão apresentar os seus resultados esta quinta e sexta-feira, respetivamente.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street abre mista na expetativa dos resultados bancários

Os investidores mostram-se preocupados com o comércio e o equilíbrio da política monetária, após o Bank of America ter superado os resultados estimados pelos analistas.
Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários