Protocolo do projeto “Radar” da Misericórdia em colaboração com mais cinco entidades nasce amanhã

As cinco entidades são a Câmara Municipal de Lisboa (CML), Instituto da Segurança Social (ISS), Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS – LVT), Polícia de Segurança Pública (PSP), Comissões Sociais de Freguesia (CSF) e Juntas de Freguesia. O Projeto Radar consiste em identificar as necessidades de pessoas com mais de 65 anos em Lisboa.

Cristina Bernardo

A Santa Casa da Misercórdia de Lisboa vai assinar e apresentar amanhã, segunda-feira, dia 17 de setembro, o protocolo de colaboração do “Radar”, um projeto da economia social que consiste em sinalizar a população da cidade com mais de 65 anos e identificar as suas necessidades, “de modo a serem detetadas, precocemente, situações de risco, agilizando uma intervenção ajustada a cada situação”, diz a SCML em comunicado.

A instituição liderada por Edmundo Martinho classifica este como “um projeto comunitário pioneiro em Portugal e está integrado no Programa Lisboa, Cidade de Todas as Idades”.

“Este projeto é pioneiro em Portugal, uma vez que funciona em rede com várias entidades: SCML, Câmara Municipal de Lisboa (CML), Instituto da Segurança Social (ISS), Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS – LVT), Polícia de Segurança Pública (PSP), Comissões Sociais de Freguesia (CSF) e Juntas de Freguesia”, explica a instituição.

Na apresentação amanhã irão estar presentes o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho.

Recomendadas

Melhor aplicação para resolver problemas sociais vai ser premiada

O produto tecnológico terá obrigatoriamente um fim social que ajude a resolver questões do dia-a-dia e que promovam a melhoria da qualidade de vida dos utilizadores ou a resolução de um problema da comunidad

Trabalhadores da Soflusa em greve na próxima semana por nova escala de serviço

Em declarações à agência Lusa, o responsável explicou que o principal motivo para a realização da greve é a “sobrecarga da escala de serviços, em que não estão a ser contemplados alguns planos de segurança”.

Governo garante operação turística “sem problemas” na Páscoa com o fim da greve dos motoristas de combustíveis

A Secretaria de Estado do Turismo afirmou hoje que a operação turística no período da Páscoa “se desenrolará com normalidade”, depois de ter terminado a greve dos motoristas de matérias perigosas.
Comentários