PSI 20 fecha em queda em linha com as pares europeias

Praça lisboeta inverteu intendência e encerrou a sessão um dia antes do prazo final para Itália submeter alterações ao Orçamento do Estado para o próximo ano à União Europeia.

Reuters

O principal índice bolsista português encerrou a primeira sessão da semana a perder 0,57% para 4.992,03 pontos, em linha com as congéneres europeias. Entre as 18 cotadas do PSI 20, 11 cotadas encerraram a negociar no vermelho, invertendo a tendência de ganhos registada no início da manhã, um dia antes do prazo final para Itália submeter alterações ao Orçamento do Estado para o próximo ano à União Europeia.

Nas praças europeias, o Dax tombou 1,77% para 11.325,44 pontos, o IBEX 35 caiu 0,64% para 9.076,30 pontos e o CAC 40 perdeu 0,93% para 5.059,09 pontos. Já o FTSE ganhou 0,98% para 2.366,40 pontos.

Os títulos do BCP foram os que mais pressionaram a bolsa lisboeta, com as ações da instituição liderada por Miguel Maya a desvalorizarem 1,25% para 25,35 euros. Também a Mota-Engil caiu 2,85% para 1,7060 euros, enquanto a Jerónimo Martins deslizou 1,02% para 10,65 euros.

No setor energético, a REN perdeu 0,33% para 1,4360 euros, enquanto a EDP e a Galp fecharam inalteradas. Em contra-ciclo esteve a EDP Renováveis que valorizou 0,32% para 1,8850 euros.

A negociar no verde, estiveram a Sonae SGPS que ganhou 2,89% para 0,8910 euros e a Pharol que subiu 2,46% para 0,1746 euros.

No mercado petrolífero, o mercado reage ao anunciado da Arábia Saudita de que irá reduzir a produção de crude a partir de dezembro. A cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, soma agora 1,41% para 71,17 euros, enquanto a cotação do crude West Texas Intermediate (WTI), cotado em Nova Iorque, sobe 1,26%, para 60,95 dólares por barril.

Os preços da matéria-prima reagiram em alta, depois de o ministro da Energia da Arábia Saudita, Khaled al-Faleh, ter revelado esta segunda-feira que é necessário reduzir a produção mundial de petróleo em um milhão de barris por dia, a fim de equilibrar o mercado, levando os investidores a antever que a OPEP e os seus aliados façam o mesmo.

No mercado cambial, o euro cai 0,74% para 1,1252 dólares e a libra perde 0,87% para 1,2858 dólares, enquanto o dólar se fica nos 113,72 iénes.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários