Queda das bolsas mundiais prejudica PSI 20. Papeleiras contrariam tendência com ganhos até 8%

Os investidores mostram-se cautelosos, depois de esta quarta-feira se ter registado a pior sessão para as bolsas desde fevereiro.

Benoit Tessier / Reuters

A bolsa nacional está em terreno negativo, a meio da manhã desta quinta-feira, dia 11 de outubro, com as papeleiras a destacarem-se ao contrariarem a tendência. O principal índice do mercado, PSI 20, perde 0,67%, para 5.002,31 pontos, acompanhando a Europa em queda. Os investidores mostram-se cautelosos, depois de esta quarta-feira se ter registado a pior sessão para as bolsas desde fevereiro.

A liderar as perdas na praça lisboeta está a Sonae, que perde 3,93% para 0,818 euros. A retalhista continua em queda apesar de a oferta pública de venda da Sonae MC, a unidade de retalho da Sonae, ter sido percecionada pelos analistas como benéfica para o grupo. No setor do retalho, a Jerónimo Martins está também a cair 1,65% para 11,015 euros.

No setor da energia, a EDP desvaloriza 0,86% para 3,113 euros, a EDP Renováveis resvala 1,69% para 8,160 euros, a Galp Energia deprecia 3,03% para 16,005 euros e a REN recua 0,17% para 2,356 euros.

Em terreno negativo estão também a negociar o BCP (-1,90%), os CTT (-1,13%), a Mota-Engil (-0,78%), a NOS (-0,86%) e a Pharol (-0,67%).

A contrariar a tendência destacam-se as papeleiras. A Navigator é a cotada que mais sobe, estando a registar uma valorização de 7,79% para 4,204 euros. A impulsionar os ganhos da cotada está a revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira.

Com esta medida, a Navigator vai passar a registar perdas anuais de cerca de dois milhões de euros e de cerca de três milhões de euros no EBITDA, de acordo com o comunicado enviado ontem à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”, refere a nota da CMVM.

No restante setor da pasta e do papel, a Semapa sobe 4,48% para 16,780 euros e a Altri aprecia 0,90% para 7,890 euros. Em alta estão ainda a Corticeira Amorim (0,57%), a Ibersol (0,44%), a F. Ramada (0,52%) e a Sonae Capital (0,39%).

As restantes praças europeias estão a negociar em sentido negativo. O índice alemão DAX perde 1,38%, o francês CAC desvaloriza 1,55%, o italiano FTSE MIB deprecia 1,67%, o holandês AEX cai 1,89%, o britânico FTSE 100 recua 1,85% e o espanhol IBEX 35 resvala 1,65%.

Os analistas do Bankinter dão conta de que as bolsas europeias estão a refletir as perdas dos mercados norte-americano e asiático. A equipa de research do Bankinter aponta duas razões para esta ter sido a pior sessão para as bolsas desde fevereiro: “(i) medo de uma rápida subida das yields das obrigações, porque a Fed poderá subir as taxas de forma mais rápida e (ii) consequências da guerra comercial, depois de a Fastenal ter alertado sobre uma maior pressão nas margens, devido ao aumento do preço das matérias primas”.

Apesar de todas as bolsas terem caído, a equipa de research do Bankinter acredita que não estamos a entrar em recessão. “A pergunta que hoje todos fazemos é simples: o ciclo económico e de mercado inverteu e estamos a entrar em recessão? A resposta também é simples: NÃO… a não ser que isto se torne numa profecia que se autorealiza”, indicam.

“As bolsas caem por receios de que a curva das taxasamericana inverta e que isso indique, segundo a teoria clássica, recessão. No entanto isto ainda não aconteceu e, embora a curva esteja de facto plana, não significa necessariamente uma inversão de ciclo, mas sim uma normalização muito rápida das taxas de juro nos Estados Unidos, país que cresce a um ritmo muito elevado, o que por sua vez obriga a uma maior rapidez no processo de normalização de taxas. Nada mais”, explica o Bankinter.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, recua 2,05% para 81,39 euros, enquanto a cotação do crude WTI perde 1,98%, para 71,72 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro aprecia 0,24% para 1,155 dólares e a libra soma ligeiramente 0,02% para 1,319 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários