Quem foi a primeira mulher membro de um governo?

Na semana em que António Costa alargou o número de mulher a dirigir ministérios, o Jornal Económico recorda-lhe a história de Maria Teresa, a primeira mulher a desempenhar um cargo governativo em Portugal.

Nascida em Angola em 1929, a licenciada em Direito com média de 16 valores já tinha chefiado o gabinete de Estudos Económicos e Financeiros do BNU quando Marcello Caetano a indigitou para o cargo de subsecretária de Estado da Saúde e Assistência. Este acabou por ser um dos sinais da chamada primavera marcelista, já que ao longo de quatro décadas Salazar nunca chamou nenhuma mulher a participar no governo da nação.

No dia 20 de agosto de 1970, o vespertino “A Capital” noticiou a nomeação de Maria Teresa Cárcomo Lobo para o Executivo de Caetano. “Uma senhora, pela primeira vez, membro do Governo”, foi o título. A advogada manteve-se no cargo até julho de 1973.

Entre as intervenções parlamentares destacam-se a participação na discussão, na especialidade, da proposta de lei do IV Plano de Fomento, a apresentação de um requerimento solicitando diversas informações relacionadas com a acção do Comissariado do Governo para os Assuntos do Estado da Índia e um requerimento relativo a aspectos da protecção e defesa dos animais.

Participou também no debate, na especialidade, da proposta de lei sobre transplantações de tecidos ou órgãos de pessoas vivas. Mais tarde, foi viver para o Brasil depois da Revolução de Abril onde continuou a sua atividade profissional; foi juíza Federal no de Janeiro, e aposentou-se em 1999.

Recomendadas

Alberto João Jardim: “O nosso adversário foi número dois de Sócrates e chama-se António Costa”

O presidente honorário do PSD/Madeira afirmou este sábado, no congresso regional do partido, que o primeiro-ministro, António Costa, é o “adversário” da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a “internacionalizar” a questão.

Miguel Albuquerque rejeita “imposição colonial” de Lisboa

O líder social-democrata considerou que a sociedade madeirense está bipolarizada politicamente entre os “autonomistas” do PSD/M e os “feitores do colonialismo lisboeta, os socialistas e os comunistas locais subordinados às ordens do poder central jacobino”.

Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde “em rutura”

A presidente do CDS-PP, Assunção cristas, lamentou hoje o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como “em rutura” devido à “austeridade escondida”, numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.
Comentários