Regresso às aulas: Bloco de Esquerda que ouvir ministro da Educação no Parlamento

“O primeiro-ministro veio agora correr atrás do prejuízo”, disse Joana Mortágua que também explicou que agora “serão contratados mais 1.500 funcionários”, uma medida que segundo o Bloco de Esquerda deveria ter sido anunciada mais cedo.

A deputada do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua, disse esta segunda-feira, 21 de setembro, que o partido pretende ouvir o ministro da Educação no Parlamento sobre as questões relacionadas com o início do novo ano escolar.

“Queremos ouvir o ministro da Educação sobre estas matérias porque achamos que o Parlamento não pode passar ao lado do início do ano letivo sobretudo num ano tão delicado e com tantas medidas que têm de ser tomadas”, referiu Joana Mortágua em conferência de imprensa a partir da Assembleia da República.

Durante a sua intervenção, Joana Mortágua recordou que “em junho o Bloco de Esquerda fez uma proposta ao ministro, de diminuição de um número de alunos por turma e sabemos o que é que isso significava, mais funcionários, mais professores e encontrar com cada escola porque nem todas as escolas têm as mesmas condições físicas”.

“Era preciso encontrar com cada escola soluções para promover o distanciamento físico que não passassem por manter os alunos o dia inteiro da mesma sala de aula e que não passassem por meter os alunos à porta da escola à espera do autocarro à chuva, todos debaixo da mesma paragem de autocarro e achamos que isso era possível se houvesse os recursos necessários, essa preparação podia ter sido possível”, sublinhou Joana Mortágua lembrando que o projeto do partido foi chumbado.

“Foi dito até que ele não era solução para o início do ano letivo e portanto o que nós assistimos foi um ano letivo mais ou menos a começar com os mesmos recursos que teve o ano letivo passado, portanto o mesmo número de alunos por turma, o mesmo número de professores, algum reforço para as tutorias , mas por exemplo relativamente ao numero de funcionários era muito claro que não havia necessários nas escolas para fazer a higienização, para fazer a limpeza e para cumprir o alagamento de horários”, disse a deputada do Bloco de Esquerda.

Depois da ausência de medidas, Joana Mortágua destacou ainda que “o primeiro-ministro veio agora correr atrás do prejuízo e que agora serão contratados mais 1.500 funcionários”. ” Não entendemos como não era possível ver que isto era necessário e fazer essa contratação durante o verão, dessa forma os funcionários já estariam nas escolas agora”, frisou a deputada do Bloco de Esquerda.

Joana Mortágua considerou ainda que, para o ano letivo que começou a 14 de setembro, existiam “alternativas, elas não eram fáceis, elas não tinham certamente os mesmos custos que teve o ano passado, mas nós estamos a lidar com uma pandemia , estamos a lidar com  o direito de uma geração à educação e portanto esse investimento, é um investimento que tem de ser feito”.

Ler mais
Relacionadas

Estudo revela que famílias portuguesas com crianças estão a enfrentar fortes problemas financeiros

Segundo este estudo, “mais de metade dos portugueses raramente ficam com dinheiro suficiente até ao fim do mês depois de pagarem as contas”.
Recomendadas
Cristina Rodrigues

OE2021: Deputada não inscrita Cristina Rodrigues abstém-se e garante viabilização na generalidade

O debate do Orçamento do Estado para 2021 está agendado para terça-feira e quarta-feira no parlamento, sendo votado, na generalidade, no último dia.

PSD questiona Governo sobre atrasos na campanha de vacinação contra a gripe

Os social-democratas alertam que as vacinas adquiridas pelo Governo são “suficientes para vacinar todas as pessoas que o queiram fazer” e sublinham que esta é uma realidade ainda mais “preocupante”, tendo em conta a pandemia da Covid-19.
Susana Coroado, presidente da Transparência e Integridade

Susana Coroado: “Não se compreende como foi aprovada a ida de Mário Centeno para o Banco de Portugal”

Presidente da Transparência e Integridade considera que a classe política ainda não presta atenção aos conflitos de interesses e aos casos de corrupção. Gostaria de ver as alterações ao Código dos Contratos Públicos vetadas e admite que chegue o dia em que a sua associação se tornará desnecessária. “Deixar de existir seria a nossa grande vitória”, diz.
Comentários