Reitora da Universidade de Évora: “É verdadeiramente importante descentralizar”

“A região de Évora é demograficamente débil, continua a perder população também pelo progresso. Por isso, é necessário repensar o ordenamento”, argumentou Ana Costa Freitas, durante a conferência “Inovação como instrumento de mudança no mercado de trabalho”.

Reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas | Foto de Cristina Bernardo

“É verdadeiramente importante descentralizar” das grandes cidades aquele que é o papel do Ensino Superior, “transferir para a sociedade conhecimento e inovação”, defendeu a reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, esta segunda-feira, 18 de novembro, durante a conferência “Inovação como instrumento de mudança no mercado de trabalho”, cuja organização conjunta é do Jornal Económico a Altice Portugal.

A reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, entende que a mudança da realidade está “aceleradíssima” e, por isso, há desafios que o país enfrenta e que o Ensino Superior deve propor-se a responder. “Os recursos humanos não são um problema. O nosso problema é avaliar a velocidade da progressão e preparar os jovens e estudantes para essa velocidade do progresso”, argumentou.

“A região de Évora é demograficamente débil, continua a perder população também pelo progresso. Por isso, é necessário repensar o ordenamento”, prosseguiu.

Para Ana Costa Freitas, voltar a pensar o ordenamento territorial do país seria “ajudar o país [e autarquias do interior como a de Évora] a fixar jovens” nas regiões fora das grandes cidades e áreas metropolitanas.

“De facto a maior parte dos empregos [de hoje] vão deixar de existir”, constatou. A solução, segundo a reitora da Universidade de Évora, “o desafio é preparar os jovens e estudantes” para dar corpo às suas ideias e criar condições para o surgimento dos empregos de cada um.

“Chegar a acordo para a definição de inovação”, seria o primeiro passo para as universidade, que para Ana Freitas Costas têm “de assumir essa dianteira”.

“É isso que estamos a fazer”, salientou.

A conferência “Inovação como instrumento de mudança no mercado de trabalho”, cuja organização é do Jornal Económico com a Altice Portugal, é o quarto encontro do ciclo de conferências “Portugal Inteiro” – de um total de cinco conferências –, que se realizou esta segunda-feira na Universidade de Évora.

Ler mais

Recomendadas
joão_barros_pagaqui_30_3

Pagaqui vai permitir que clientes paguem o café com bitcoins

“O contrato está assinado e vai ser operacionalizado durante o mês de janeiro”, afirmou João Barros, CEO da empresa portuguesa de pagamentos, no ciclo de conversas “30’ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.
pedro_gouveia_alves_montepio_30_3

Presidente do Montepio Crédito diz que maior desafio das fintechs surge dos meios de pagamento

“Não será muito fácil a uma multinacional fintech em Portugal operar soluções de crédito para consumidores, uma vez que tem de preencher um conjunto de requisitos regulamentares que, do ponto de vista de desenvolvimento e análise do risco, são pesados”, defende Pedro Gouveia Alves.
30_3_pedro_gouveia_alves_joão_barros_andré_cabrita_mendes

Quais são os desafios das fintechs no contexto do mercado português? Assista ao “30’ a 3” com João Barros

Esta quarta-feira, entre as 18h30 e as 19h00, realiza-se a quinta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, num ciclo que visa promover o debate e o esclarecimento público sobre os temas mais decisivos para o futuro do país.
Comentários