Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

O futuro da economia europeia começa a desenhar-se esta sexta-feira, dia em que começam as negociações dos líderes europeus sobre o Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros, em Bruxelas. Na quinta-feira, o BCE apresenta o rumo da política monetária na zona euro. E, nos Estados Unidos, arranca mais uma ‘earnings season’.

Copyright: European Union

Segunda-feira, 13 de julho

Evento em destaque: Apuramento do resultado as emissões da Sport Lisboa e Benfica, SAD

Esta segunda-feira são apurados os resultados da oferta pública de subscrição do empréstimo obrigacionista lançada pela SAD do Sport Lisboa e Benfica, numa sessão especial de mercado.

Com as “obrigações Benfica SAD 2020-2023”, a SAD liderada por Domingos Soares de Oliveira pretende levantar 50 milhões de euros depois de ter aumentado para dez milhões número de obrigações a emitir na passada quarta-feira, o que aumentou o valor global da operação de 35 milhões para 50 milhões de euros.

A operação arrancou no passado dia 29 de junho e decorreu até às 15hoo do passado dia 10 de julho, sendo que renumera os investidores com uma taxa de juro bruta fixa e anual de 4%.

Terça-feira, dia 14 de julho

Evento em destaque: Início da ‘earnings season’ nos Estados Unidos

Esta terça-feira marca o início de mais uma temporada de apresentação de resultados das cotadas norte-americanas relativos ao último três trimestre fiscal.

Como é hábito, cabe à banca dar o pontapé-de-saída com a ênfase de que poderão dar sinais sobre o resto da atividade económica dos Estados Unidos no segundo trimestre do ano, que sentiu por inteiro o impacto do novo coronavírus.

Na terça-feira apresentam resultados o Citigroup, o JPMorgan Chase e o Wells Fargo, enquanto o Morgan Stanley e o Bank of America apresentam as contas na quarta-feira e quinta-feira, respectivamente.

Outros eventos em foco:

  • Banco de Portugal apresenta inquérito aos bancos sobre mercado de crédito
  • Eurostat divulga impactos da Covid-19 na produção industrial em maio
  • Eurostat divulga impactos da Covid-19 na construção em maio

 

Quarta-feira, 15 de julho

Evento em destaque: Portugal vai mercado colocar até 1.750 milhões de euros em dívida de curto-prazo

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública realiza um leilão duplo de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidade até janeiro de 2021 (seis meses) e julho de 2021 (12 meses), com um montante indicativo global entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros.

Na última emissão a 12 meses, realizada em maio, o IGCP colocou mil milhões de euros, com uma taxa de -0,351%, voltando assim a financiar-se a taxas negativas nesta maturidade, depois de no leilão de abril a yield ter sido positiva (0,038%) pela primeira vez em três anos.

Outros eventos em foco:

Quinta-feira, 16 de julho

Evento em destaque: Reunião do Banco Central Europeu (BCE)

O conselho de governadores do BCE, presidido por Christine Lagarde, reúne para decidir sobre o rumo da política monetária para a zona euro que não deverá sofrer grandes alterações face ao que ficou decidido na última reunião de junho.

Os analistas do ING, um banco holandês, referem que não existem dados suficientes que evidenciem a necessidade de uma mudança e frisam que “o verdadeiro impacto económico no segundo trimestre só ficará claro no final do mês” quando forem apresentadas as estimativas sobre o crescimento do PIB, apontando para as reuniões de setembro e outubro como as mais importantes, altura em que deverá haver mais informação sobre a recuperação económica na segunda metade do ano.

Na última reunião, o BCE decidiu acrescentar 600 mil milhões de euros ao Pandemic Emergency Purchase Programme (PEPP), o programa de compra de ativos que lançou em março para ajudar a economia e os mercados a enfrentarem os riscos que a pandemia de Covid-19 trouxe para a economia da zona euro.

Outros eventos em foco:

  • Banco de Portugal divulga estatísticas das empresas da central de balanços

Sexta-feira, 17 de julho

Evento em destaque: Reunião do Conselho Europeu

O Conselho Europeu inicia na sexta-feira uma reunião de dois dias na qual os líderes dos Estados Membros da União Europeia vão encetar negociações sobre o mecanismo e o montante do orçamento do bloco regional para 2021 e 2027, onde está inserido o Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros para impulsionar a economia europeia.

Inicialmente de 1,1 biliões de euros, o pacote financeiro foi revisto em baixa pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que reduziu o montante do orçamento, mas não do Fundo de Recuperação, numa solução de compromisso para com as exigências dos chamados ‘países frugais’.

Segundo a proposta de Charles Michel, o Fundo de Recuperação será desembolsado até 2026 num equilíbrio entre subvenções e empréstimos de forma a não pesar ainda mais as contas públicas do Estados mais endividados.

Outros eventos em foco:

  • Eurostat divulga taxa de inflação relativa a junho
  • Eurostat publica relatório sobre a atividade da construção relativa a maio

 

Ler mais

Recomendadas

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.

Wall Street fecha semana com ganhos ligeiros. Nasdaq reflete dados da criação de emprego

O Nasdaq Composite registou a única queda da sessão: 0,87% para 11,010.98 pontos. Foi a maior vítima da sessão de uma conjugação de fatores: a criação de empregos nos EUA e a negociação do pacote de estímulos fiscais.

Aumento de capital da EDP não anima investidores. PSI-20 encerra no ‘vermelho’

O PSI-20 fecha a sessão de hoje a desvalorizar 0,25% para 4.362,62 pontos à boleia da EDP que desvaloriza 0,73% depois de ter completado o aumento de capital que vai financiar a compra da espanhola Viesgo.
Comentários