Apple afunda quase 4% e arrasta Wall Street para terrenos negativos

Wall Street segue a desvalorizar com a Apple a entrar em “bear market”

Brendan McDermid / Reuters

Sinais de alerta em Wall Street, com os ‘ursos’ a atropelarem a Apple. A fabricante dos iPhones fechou a sessão desta segunda-feira a ceder 3,96% para 185,86 dólares. No entanto, durante a sessão, os títulos da Apple estiveram a perder mais 4%, para 184,99 dólares, o que traduz uma desvalorização de 20% face ao máximo histórico verificado em outubro (233,47 dólares, entrando assim em “bear market” (a expressão “bear market” aplica-se aos títulos que desvalorizam 20% desde o máximo histórico).

Entre os principais índices norte-americanos,  o tecnológico Nasdaq foi que mais desvalorizou, perdendo 3,03%, para 7.028,48 pontos. O S&P 500 cedeu 1,66% para 2.690,78 pontos e o industrial Dow Jones recuou 1,56%, para 25.018,02 pontos.

A Apple já tinha aberto registado perdas de 2% na abertura da primeira sessão, depois de o Wall Street Journal ter noticiado que a empresa liderada por Tim Cook reduziu a produção dos três iPhones mais recentes. Os investidores estão a reagir negativamente aos resultados do terceiro trimestre da Apple e sobretudo à alteração do reporting da empresa de Cupertino, que vai deixar de indicar as vendas de iPhones e de iPads.

As vendas dos iPhones constituem uma grande fatia das receitas da Apple, tradicionalmente com um peso de 70% na faturação da empresa.

Entre as tecnológicas, destaque para as redes sociais com o Facebook e o Twitter a cairem também. No caso da empresa de Mark Zuckerberg, o Facebook desvalorizou devido a problemas de imagem. O Twitter, por arrasto, também desvalorizou, o mesmo acontecendo com o Snapchat.

A incerteza em torno das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores potências do mundo, também teve influência no sentimento dos investidores.

Entre as matérias primas, o West Texas Intermediate, que serve de preço de referência do barril de petróleo no mercado norte-americano, fechou a sessão a valorizar 0,53% para 56,76 dólares. O Brent, referência para a Europa, ganhou 0,21%, para 66.90 dólares.

Nos mercados cambiais, o euro apreciou 0,33% face ao dólar, para 1.1453 dólares.

(atualizada)

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários