Compreender o metabolismo das cidades para tomar a melhor decisão

Carlos Lobo, da EY, refere que é preciso decidir qual é o momento certo para fazer determinado projeto e analisar as implicações que existem ao nível sistémico. Para David Xavier, da presidência do conselho de ministros, a informação é fundamental para criar cenários de desenvolvimento.

Ler mais

A terceira sessão de aceleração da Ernst & Young (EY) Portugal, no âmbito da 2ª edição do Beyond – Portugal Digital Revolutions, teve em cima da mesa a seguinte pergunta: “Infra-estruturas inteligentes – cidades inteligentes?”. “A ideia foi precisamente efetuar o desenvolvimento daquilo que nós denominamos o ecossistema smart, que é na prática a interligação entre os principais gestores das infra-estruturas públicas (eletricidade, telecomunicações, comunicações viárias e águas) com um modelo organizacional da administração pública tendo em vista a criação de um ambiente inteligente”, explicou Carlos Lobo da EY.

Ou seja, trata-se de decidir qual é o momento certo para fazer determinado projeto e analisar as implicações que existem ao nível sistémico. Isto exige modelos de planeamento territorial, tendo como base toda a informação que está disponível, e arranjar todo um modelo de gestão de dados que possa possibilitar uma gestão mais eficiente no futuro.

Pela mesa de trabalho passaram diversos mapas dinâmicos de cidades europeias, onde os participantes utilizaram temas como “metabolismo” ou “acupuntura”. Só percebendo como é que as cidades pulsam, como é que as pessoas se deslocam e quais são os fluxos de mercadorias ou de energia é possível tomar a melhor decisão de gestão urbana. “Tirarmos fotografias e tornarmos a cidade como abstrata gera decisões ineficientes. É preciso vê-la como um organismo vivo e geri-la de forma eficiente”, acrescentou Carlos Lobo.

Liderada pelo champion David Xavier, secretário-geral da presidência do conselho de ministros, a sessão debateu também como as infra-estruturas podem ajudar a tomar decisões para se fazerem interligações entre as várias organizações, quer do Estado, quer privadas. “Com a informação que temos podemos criar cenários de desenvolvimento: onde colocar um hospital, onde colocar um centro público ou até criar mais rede de telemóvel ou de energia elétrica”, afirmou.

Sobre a relação entre as entidades públicas e privadas, Diogo Xavier diz que “com o processo colaborativo podem ganhar muito mais do que perder. Em conjunto vamos ser mais racionais e eficientes e tornar o país mais desenvolvido”.

A 2ª edição do Beyond – Portugal Digital Revolutions, promovida pela EY Portugal para debater a transformação digital, acontece entre os dias 17 de outubro e 12 de dezembro. Por entre as conferências setoriais – Turismo, Saúde, Administração Pública, Telecomunicações, Media e Tecnologias da Informação, Banca e Seguros, Energia, Indústria e Final – decorrem sessões de aceleração para discutir os desafios da mudança digital em áreas como communities & sharing, cybersecurity, costumer, lifestyle, competitiveness e talent. O Jornal Económico está a acompanhar em exclusivo os seis encontros.

Relacionadas

Revolução digital nas empresas: como melhorar a experiência do cliente?

Emília Duarte, professora do IADE, refere que o desafio passa por sofisticar os aparelhos sem que o utilizador se sinta incapaz de os utilizar. Para usufruir melhor do ‘open banking’, João Loureiro, manager da EY, sugere o desenvolvimento carteiras digitais e melhoria das ferramentas de gestão financeira.

Revolução digital é um desafio que importa ganhar

Já não há gestão de produção nem de negócios sem o digital. A EY quis colocar dois exemplos em confronto. Ou, mais propriamente, em troca de experiências.
Recomendadas

Destino da Uber Eats está nas mãos de um português

Rui Bento é o novo diretor do serviço de entrega de refeições para o sul da Europa. Português acredita que serviço chegará a outras cidade do país.

Até agosto já nasceram 30.620 empresas. Turismo e TIC lideram as constituições

O crescimento na constituição de novas empresas é registado na quase totalidade dos distritos e setores, mas o grande impulso vem dos setores ligados ao turismo, onde este indicador cresce 19,4%.

Gomes da Silva eleito melhor CEO do ano na relação com os investidores

O prémio foi atribuído ao presidente da Galp na gala anual dos IRG Awards, promovida pela Deloitte há 31 anos e apoiada pela Forbes, e que decorreu na noite de ontem no Convento do Beato, em Lisboa.
Comentários