Costa promete promete maior orçamento de sempre para a cultura e mais dinheiro para investigação

“O próximo OE incluirá um programa de forte estímulo fiscal e de apoio à mobilidade familiar no acesso à habitação e à educação para promover o regresso de emigrantes, especialmente dos jovens que se viram forçados a deixar o país nos anos de forte crise económica”, declarou António Costa.

Ler mais

O Ministério da Cultura terá o maior orçamento de sempre em 2019, as verbas para investigação vão atingir 1,5% do PIB e a proposta que o governo vai apresentar, em outubro, terá estímulos fiscais para apoio à mobilidade familiar no acesso à habitação, prometeu o primeiro-ministro, esta sexta-feira.

Estas três áreas foram destacadas por António Costa na parte final do seu discurso sobre o estado da nação, na Assembleia da República.

O Orçamento do Estado para o próximo ano, de acordo com o primeiro-ministro, pretende também responder “à centralidade da cultura e da ciência como as bases da sociedade do conhecimento”.

“No caso da Ciência, o orçamento terá medidas que permitam alcançar o investimento de 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto) em investigação e desenvolvimento em 2019, reforçando a convergência com o objetivo de 3% do PIB em 2030”, apontou.

No caso da Cultura, segundo o primeiro-ministro, o seu executivo garantirá que em “2019 terá o maior orçamento de sempre para a cultura, reforçando o apoio à criação e à recuperação do património”.

“A administração pública tem também um papel essencial na sociedade da inovação. Assim, honrando os compromissos do Governo de valorizar, rejuvenescer e capacitar a administração, procederemos, no próximo ano, ao concurso de recrutamento para os quadros do Estado de mil jovens com formação superior, de modo a reforçar os centros de competências e as áreas estratégicas de conceção e de planeamento de políticas públicas e de digitalização da administração”, acrescentou.

Relacionadas

António Costa: “Não cortámos ou adiámos o investimento público”

O líder do Executivo socialista desmentiu as críticas à falta de investimento e garantiu que o investimento público cresceu 22% no ano passado e a inovação foi assumida como motor da economia.

Estado da Nação: Maior turbulência e tensões a um ano das eleições e em vésperas do Orçamento

Mais turbulência e tensões entre os partidos que suportam o Governo são de esperar a um ano das eleições, mas a principal ameaça à estabilidade governativa continua a ser externa, segundo politólogos ouvidos pela Lusa.
Recomendadas

Teodora Cardoso: “Não podemos pensar em reduzir impostos”

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

Quintela e Penalva com vendas de 94 milhões no primeiro semestre

Imobiliária especializada na venda e arrendamento de imóveis de luxo registou 134 negócios. A área residencial, cujo valor médio por transação é de 70 milhões de euros representou 71% das transações.

Ainda não abasteceu? Espere por amanhã: preços da gasolina e do gasóleo descem

O gasóleo irá cair 0,5 cêntimos, enquanto a gasolina vai descer 1,5 cêntimos, refletindo as cotações médias dos combustíveis nos mercados internacionais, de acordo com fontes do setor contactadas pelo Jornal Económico.
Comentários