Crédito às empresas recua em outubro

Em setembro, stock de empréstimos às empresas tinha atingido o máximo desde junho de 2018, ao situar-se perto dos 72.149 milhões de euros.

O total de empréstimos às empresas diminuiu para 71.963 milhões de euros no final de outubro, menos 185,8 milhões que em setembro, fixando-se, ainda assim, em máximos desde julho de 2018, segundo dados do Banco de Portugal.

Em setembro, o stock de empréstimos às empresas tinha atingido o máximo desde junho de 2018, ao situar-se perto dos 72.149 milhões de euros. O stock de 71.963 milhões de euros de empréstimos às empresas em outubro supera os 68.953 milhões de euros registados em outubro de 2019.

Os dados do banco central apontam ainda que, em outubro deste ano, o crédito malparado nas empresas diminuiu para 3,8% do crédito total, face aos 4% de setembro, mantendo-se muito abaixo dos 6,2% de outubro de 2019.

Analisando pelo número total de devedores (e não pelos montantes do crédito), segundo o Banco de Portugal, 17,4% das empresas tinham em outubro os seus empréstimos vencidos, uma proporção inferior à de setembro (17,6%) e à do mês homólogo de 2019 (18,8%).

Devido à crise económica provocada pela pandemia de Covid-19, estão em vigor empréstimos às empresas com garantias do Estado e uma moratória pública dos créditos bancários das famílias e empresas, recentemente prolongada até 30 de setembro de 2021.

Recomendadas

Propostas dos operadores superam os 194 milhões de euros no quinto dia da licitação principal do leilão do 5G

Em leilão estão faixas dos dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz. No conjunto dos mais de 50 lotes em concurso, o preço base total é de 195,9 milhões. Esta quarta-feira, sete lotes viram o seu preço base aumentar.

Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

AHRESP defende revogação da medida que proíbe venda de bebidas em ‘take-away’

A associação refere que a medida “apenas vai prejudicar a já difícil situação dos estabelecimentos”. A AHRESP acrescenta que “o que se quer prevenir é o consumo de produtos à porta do estabelecimento ou nas suas imediações, e não a venda”.
Comentários