De quase 20.000 dólares para 7.500: Preço de uma Bitcoin caiu 62% em seis meses

Estima-se que houve uma transferência de riqueza na ordem dos 30 mil milhões de dólares (25,5 mil milhões de euros) entre investidores (de longo prazo) e especuladores.

Bolha da bitcoin rebenta
Ler mais

No dia 17 de dezembro de 2017, o preço de uma Bitcoin alcançou máximos históricos para os 19,783.06 dólares, cerca de 16,810.75 euros. Volvidos seis meses, o preço unitário da mais famosa criptomoeda baixou 62% para 7,500 dólares (cerca de 6,400 euros).

Num artigo publicado pelo Financial Times na sexta-feira, dia 8 de junho, as razões da volatilidade da Bitcoin são várias, mas obedecem a uma lógica de um mercado especulativo e irracional, pode ler-se.

Estima-se que houve uma transferência de riqueza na ordem dos 30 mil milhões de dólares (25,5 mil milhões de euros) entre investidores (de longo prazo) e especuladores, explica Philip Gradwell, CEO da Chainalysis, empresa norte-americana especializada em blockchain. Metade deste valor foi transferido em dezembro e preço da Bitcoin disparou.

Hoje, volvidos seis meses desde dezembro último, o volume de transacção de Bitcoins caiu 75%, para mil milhões de dólares por dia, contribuindo para a desvalorização da criptomoeda.

Isto porque a Bitcoin ainda é uma fonte de desconfiança por parte de operadores do mercado. Segundo uma publicação da Morgan Stanley, “apenas 4 das 500 maiores empresas de e-commerce norte-americanas aceitam Bitcoins”, revela o FT. Assim, são poucos os consideram a Bitcoin como uma fonte geradora de valor sustentado.

O preço da Bitcoin manter-se-á, ao que tudo indica, longe dos registos de dezembro de 2017. De acordo com Preston Byrne, advogado citado no artigo, a especulação será a maior causa de flutuações do preço deste tipo de ativos digitais enquanto este não forem adoptados por agentes comerciais ou instituições de forma generalizada.

Relacionadas

Como funciona a Bityond, a primeira criptomoeda portuguesa

Devo investir em Bityond? A Deco reconhece as “vantagens óbvias” para uma empresa se financiar através das criptomoedas, mas alerta que o risco para os investidores é “muito elevado”. Saiba porquê.

As criptomoedas, o monopólio da banca e a analogia em direito fiscal

O caminho que passa pelo sacrifício de princípios – no caso, o da proibição da analogia em matérias que determinem incidência ou isenção – é uma ladeira escorregadia.

Governo testa blockchain em concurso público com prémio de 90.000 euros

Abriram esta quarta-feira as inscrições para o GovTech. Em entrevista ao Jornal Económico, a secretária de Estado Graça Fonseca explica que o Governo emitiu um ‘token’ para democratizar a escolha dos três projetos vencedores.
Recomendadas

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.

Wall Street abre em queda no dia em que entram em vigor as tarifas dos EUA/China

Os principais índices norte-americanos iniciaram a sessão em ambiente de correção, no dia em que entram hoje em vigor as novas tarifas dos EUA e China. Petróleo dispara.

Ganhos da Galp e da EDP levam PSI 20 a contrariar sentimento negativo na Europa

A maioria das praças europeias reage de forma negativa à indisponibilidade da China para dialogar com os EUA sobre a guerra comercial. A bolsa de Lisboa está em destaque pela positiva, no entanto, com a Galp a brilhar devido ao disparo do preço do Brent.
Comentários