Dona do Montepio subscreve aumento de capital de 250 milhões na Caixa Económica

Aumento de capital é feito no mesmo dia em que é anunciado um princípio de entendimento para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa entrar no capital do Montepio Geral.

Ler mais

A associação mutualista que é dona do Montepio Geral subscreveu um aumento do capital da caixa económica em 250 milhões de euros, informou o banco através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O aumento de capital foi feito hoje, em dinheiro, e elevou o capital social da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) a 2.020 milhões de euros.

Em comunicado, a caixa económica “informa que efetivou o aumento do seu capital institucional, o qual foi integralmente realizado pelo Montepio Geral Associação Mutualista (MGAM)”.

Também em comunicado, a MGAM refere que, enquanto Instituição titular conforme o Regime Jurídico das Caixas Económicas (DL 190/2015), garante o reforço dos fundos próprios da CEMG, muito acima das exigências regulamentares das autoridades de supervisão#.

Assim, assegura, diz, “um elevado nível de solidez e de suporte ao desenvolvimento da atividade da sua Instituição financeira”.

No comunicado, António Tomás Correia, presidente MGAM, diz que, com esta operação, “a CEMG está dotada dos meios necessários para o desenvolvimento da sua atividade, de forma estável e sólida”.

E acrescenta que “o projeto estratégico de transformação da CEMG na instituição financeira nacional da economia social está aberto às instituições sociais que, livremente, nela pretendam participar”.

Isto é dito no mesmo dia em que foi assinado um memorando que constitui um “princípio de acordo” para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) entrar no capital da Caixa Económica Montepio Geral.

O memorando de entendimento foi assinado por Tomás Correia e pelo presidente da SCML, Pedro Santana Lopes.

Em comunicado, a instituição refere que se trata de um entendimento com o objetivo de “estabelecer uma parceria entre estas entidades no âmbito do desenvolvimento da economia social”.

Nesta informação divulgada à imprensa é referido que o memorando “contempla a possibilidade de uma participação da SCLM na Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) abrindo o caminho para a participação de outras instituições da economia social no capital da CEMG”.

Relacionadas

Já há princípio de acordo: Santa Casa vai entrar no Montepio

Memorando foi assinado por Tomás Correia e Santana Lopes. Santa Casa vai mesmo ter uma posição no Montepio sendo que outras instituições podem aderir.

Santa Casa vai contratar banco de investimento internacional para avaliar Montepio

A instituição liderada por Pedro Santana Lopes vai decidir nos próximos dias sobre qual a entidade bancária a contratar.

Bancos mutualistas europeus em contactos com o Montepio

A CMVM ainda não deu o registo à operação de troca do Montepio Geral que permita passagem a sociedade anónima.

“Não confia no Provedor? Eu confio”. Santa Casa no Montepio gerou debate entre Costa e Cristas

Primeiro-ministro reitera confiança na decisão de Santana Lopes e assegura que Governo nada tem a opor à entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio.

Santana é sensível ao argumento do interesse nacional mas não expõe a Santa Casa a um risco “indevido”

“Deixou quase deixou de haver bancos portugueses e isso também preocupa o Banco de Portugal”. Por isso a Santa Casa está a avaliar se há condições para entrar no capital do Montepio. Está prevista uma posição de 10%.
Recomendadas

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.

Farfetch aumenta preço da entrada em bolsa para até 19 dólares por ação

Depois de o interesse dos investidores em ações tecnológicas, a Farfetch aumentou o preço das ações em cerca de dois dólares para, entre os 17 e os 19 dólares, avaliando a empresa entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.
Comentários