“É inconstitucional a ASF avaliar a idoneidade de Tomás Correia”, diz Constitucionalista Paulo Otero

Com o decreto-lei hoje publicado, é a Autoridade de Seguros quem o vai fazer, mas, de acordo com as declarações de Paulo Otero à RR, esta decisão abre caminho para Tomás Correia pedir a impugnação da legislação.

Cristina Bernardo

“É duplamente inconstitucional a lei que atribui à autoridade dos seguros a avaliação da idoneidade de Tomás Correia”, diz à Rádio Renascença o Constitucionalista Paulo Otero.

O Constitucionalista referia-se ao decreto-lei publicado esta sexta-feira em Diário da República, que atribui à Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) a responsabilidade de avaliar a idoneidade do presidente da Associação Mutualista Montepio Geral.

“Há aqui uma dupla inconstitucionalidade. Inconstitucionalidade porque o fim está ferido de desvio de poder e inconstitucionalidade igualmente por se utilizar um instrumento de fraude qualificante como interpretativo o que na realidade é inovador”, explica o especialista à RR.

“Se da aplicação deste diploma existir um ato que alguém, a pessoa em causa se sinta lesada, pode impugnar esse ato com fundamento na inconstitucionalidade da solução normativa hoje publicada”, diz ainda o mesmo Constitucionalista.

Hoje, em entrevista à TSF/Dinheiro Vivo, Tomás Correia, presidente da Associação Montepio, admite que a lei da idoneidade pode ter sido feita a pensar só nele, o que a tornaria inválida.

Os especialistas em Direito Constitucional dizem que a “lei publicada hoje é uma Lei medida ou Lei de escopo, que é pessoalmente dirigida contra Tomás Correia, violando direitos fundamentais”.

“É uma lei fotografia com um propósito dirigido a uma pessoa e a uma situação concreta (ad hominen)”, dizem outros constitucionalistas.

(atualiza com contexto)

Ler mais
Recomendadas

COTEC Portugal lamenta morte de João Vasconcelos, “o autor do futuro”

“Na memória da sua curta vida, João Vasconcelos é um autor do futuro, com contribuição inigualável para o progresso da inovação empresarial, o empreendedorismo e as políticas públicas”, diz a COTEC, liderada por Jorge Portugal.

CGD: BE questiona EY sobre créditos aprovados com base em “concorrência de mercado”, apesar de pareceres negativos

A responsável da auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, Florbela Lima, revela que a auditora não avaliou “qualidade das decisões” como créditos aprovados com risco negativo. A resposta foi dada à deputada do BE, Mariana Mortágua, na comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da CGD, que arrancou nesta terça-feira, 26 de março, os trabalhos no Parlamento.

Licínio Pina espera que Governo devolva Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo este ano

O Fundo de Garantia do Crédito Agrícola Mútuo tem um volume de 300 milhões mas só 200 milhões serão devolvidos à esfera da gestão da Caixa Agrícola.
Comentários