EDP Renováveis e Engie acordam ‘joint venture’ para projetos eólicos

“A EDPR Renováveis, S.A. (“EDPR”) anuncia a assinatura de um acordo, com a Engie, para a criação de uma joint-venture controlada em partes iguais (50/50) no segmento eólico offshore, fixo e flutuante”, revelou a EDPR ao regulador.

A EDP Renováveis e a Engie chegaram a acordo para criar uma joint-venture com participações iguais para projetos eólicos offshore, anunciou esta quinta feira a EDP Renováveis em comunicado

“A EDPR Renováveis, S.A. (“EDPR”) anuncia a assinatura de um acordo, com a Engie, para a criação de uma joint-venture controlada em partes iguais (50/50) no segmento eólico offshore, fixo e flutuante”, revelou a EDPR ao regulador.

A EDPR revela ainda que “o acordo assinado hoje é efetuado na sequência do anúncio realizado a 21 de maio de 2019, relativo ao Memorando de Entendimento (MdE) estratégico para formar uma nova entidade como veículo exclusivo de investimento da EDPR e Engie para oportunidades eólicas offshore em todo o mundo, combinando a competência industrial e a capacidade de desenvolvimento das duas empresas”.

De acordo com a EDPR, a EDPR e a Engie estão a combinar os seus ativos eólicos offshore e os projetos em desenvolvimento na nova entidade, começando com
um total de 1,5 GW1 em construção e 3,7 GW2 em desenvolvimento, e trabalhando juntos para criar um líder global no setor.

A joint-venture deverá estar operacional até o final do primeiro trimestre de 2020.

Recomendadas

Crédito às empresas recua em outubro

Em setembro, stock de empréstimos às empresas tinha atingido o máximo desde junho de 2018, ao situar-se perto dos 72.149 milhões de euros.

Nearshoring vai crescer acima dos 10% em 2021

A exportação de serviços nos contact centers deverá crescer acima dos 10% em 2021 e por isso bem acima da média nacional, segundo conclui a Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC).

DBRS alerta: Impasse político em Portugal cria incerteza no capital do Novo Banco

“Esta notícia foi inesperada e representa desafios para o Novo Banco, pois cria incerteza para o capital do banco e o plano de redução de riscos em andamento, além de aumentar o potencial de litígio”, refere a agência de rating.
Comentários