Garrigues assessora Novo Banco na venda de carteira superior a 700 milhões de euros

A carteira, com um valor bruto contabilístico de 716,7 milhões de euros, é composta por 8.726 imóveis localizados em Portugal e em Espanha, incluindo edifícios e frações com usos residencial, industrial, comercial e de serviços, e também terrenos.

A equipa de Imobiliário da Garrigues, liderada por Jorge Gonçalves e Miguel Menezes da Silva, assessorou o Novo Banco na negociação e celebração de um contrato-promessa para a venda de uma carteira de ativos imobiliários composta por mais de 8.700 imóveis, operação designada por “Projeto Viriato” e anunciada como sendo “a maior operação de venda alguma vez realizada em Portugal no setor imobiliário, em número de ativos”.

A carteira, avança a sociedade de advogados, em comunicado, com um valor bruto contabilístico de 716,7 milhões de euros, é composta por 8.726 imóveis localizados em Portugal e em Espanha, incluindo edifícios e frações com usos residencial, industrial, comercial e de serviços, e também terrenos.

Os compradores são entidades indiretamente detidas por fundos geridos pela Anchorage Capital Group L.L.C., uma sociedade de investimento sediada em Nova Iorque, Estados Unidos.

O Novo Banco, por seu turno, anunciou que esta transação representa um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos da instituição, estimando receber cerca de 388 milhões de euros no contexto da operação (o valor final encontra-se dependente da carteira final de ativos a alienar).

O grupo Novo Banco prevê que a transação se conclua até ao final do ano, uma vez reunidas todas as condições necessárias à formalização da transmissão dos imóveis.

Recomendadas

PremiumSérgio Gaio: “Empresas devem preocupar-se em entender os próprios dados”

Sérgio Gaio, ‘associate director’ da Accenture Technology, defende que a tendência no sentido de bens e serviços cada vez mais personalizados pode ser positiva sobretudo para os setores da indústria.

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.
Comentários