Garrigues assessora Novo Banco na venda de carteira superior a 700 milhões de euros

A carteira, com um valor bruto contabilístico de 716,7 milhões de euros, é composta por 8.726 imóveis localizados em Portugal e em Espanha, incluindo edifícios e frações com usos residencial, industrial, comercial e de serviços, e também terrenos.

A equipa de Imobiliário da Garrigues, liderada por Jorge Gonçalves e Miguel Menezes da Silva, assessorou o Novo Banco na negociação e celebração de um contrato-promessa para a venda de uma carteira de ativos imobiliários composta por mais de 8.700 imóveis, operação designada por “Projeto Viriato” e anunciada como sendo “a maior operação de venda alguma vez realizada em Portugal no setor imobiliário, em número de ativos”.

A carteira, avança a sociedade de advogados, em comunicado, com um valor bruto contabilístico de 716,7 milhões de euros, é composta por 8.726 imóveis localizados em Portugal e em Espanha, incluindo edifícios e frações com usos residencial, industrial, comercial e de serviços, e também terrenos.

Os compradores são entidades indiretamente detidas por fundos geridos pela Anchorage Capital Group L.L.C., uma sociedade de investimento sediada em Nova Iorque, Estados Unidos.

O Novo Banco, por seu turno, anunciou que esta transação representa um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos da instituição, estimando receber cerca de 388 milhões de euros no contexto da operação (o valor final encontra-se dependente da carteira final de ativos a alienar).

O grupo Novo Banco prevê que a transação se conclua até ao final do ano, uma vez reunidas todas as condições necessárias à formalização da transmissão dos imóveis.

Recomendadas

Teatro em Portalegre do século XIX está à venda no OLX por 350 mil euros

Trata-se de um edifício oitocentista e do sexto teatro mais antigo de Portugal. “Quem hoje lá passa não sabe ou nem se lembra da beleza deste espaço único e marcante desta cidade. Uma coisa é certa: vale a pena ver e estudar hipóteses para este imóvel único”, refere o dono.

Portugal pode “fortalecer mecanismo de acusação penal”, considera OCDE

No relatório sobre Portugal, a OCDE explica que a avaliação do nível de corrupção é difícil, uma vez que os indicadores existentes se baseiam principalmente em percepções. Recomenda ainda que Ministério Público deve “continuar a melhorar a capacidade” para combater a criminalidade económica e financeira.

Premium“Hoje as pessoas são jovens advogados até aos 45 anos”

Ana Rita Duarte Campos, presidente do Instituto de Apoio aos Jovens Advogados, teme que os recém-chegados à profissão, munidos de tecnologia, não vejam na advocacia um emprego apelativo e socialmente importante.
Comentários