Governante de Macau sublinha “grande esforço” de promoção da língua portuguesa

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam, afirmou esta terça-feira que o executivo está a fazer “um grande esforço para promover a língua e cultura portuguesa” no território, uma estratégia apoiada diretamente por Pequim. Em declarações à Lusa, à margem de uma visita à Câmara do Porto, no âmbito das celebrações […]

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam, afirmou esta terça-feira que o executivo está a fazer “um grande esforço para promover a língua e cultura portuguesa” no território, uma estratégia apoiada diretamente por Pequim.

Em declarações à Lusa, à margem de uma visita à Câmara do Porto, no âmbito das celebrações dos 40 anos de relações diplomáticas entre Portugal e China, o responsável prometeu também mais apoios, num momento em que o número de professores aumentou “quase o dobro”, um compromisso que segue “instruções do Governo central”.

“Neste momento, há cerca de 6.700 alunos que estão a estudar a língua portuguesa nas escolas secundárias. Já não falo dos alunos que estão a estudar em Portugal, cada vez há mais alunos que vêm para Portugal para prosseguirem os estudos e também estamos a incentivar os alunos para virem”, disse.

Pelo contributo para o desenvolvimento da Educação e ensino da língua e cultura portuguesas, Alexis Tam vai ser distinguido pela Universidade de Lisboa com o título de doutoramento ‘Honoris Causa’, numa cerimónia agendada para março.

“Fiquei muito feliz com esta honra. Significa que eu e a minha equipa estamos a executar bem a política de promover a língua a cultura portuguesa em Macau. Penso que estamos a fazer bem o nosso trabalho, que é apreciado pela Universidade de Lisboa. Para nós, este título de ‘Honoris Causa’ pode encorajar-nos a fazer mais no futuro. Isso eu garanto, que o Governo da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau] vai fazer mais no futuro”, sublinhou.

Em declarações à Lusa, Alexis Tam lembrou que em 2019 se “celebram 20 anos de Governo da Região Administrativa Especial de Macau” e o território tem todas as condições para “servir de plataforma entre a China e Portugal para a área do comércio, economia e atividades culturais”.

“Pode perguntar aos cidadãos de Macau ou da China, [todos] gostam muito de Portugal”, destacou Alexis Tam.

“Esteve aqui há pouco tempo o Presidente da China, Xi Jinping. Foi muito bem recebido pelo povo português e também já foi anunciado que o Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, vai visitar a China e Macau. Penso que todos os cidadãos vão ficar muito contentes com isso e por isso somos amigos. Os povos são amigos”, reforçou.

Sem abordar o futuro de Macau após 2049, quando termina o período de transição acordado entre Portugal e a China, o responsável prometeu que as relações entre a RAEM e os portugueses são inquebráveis.

Alexis Tam disse ter a “certeza absoluta” que se reforçará a amizade com Portugal, “como o vinho do Porto”. “Quanto mais velho, melhor. Esta amizade vai manter-se e, pessoalmente, espero que continuemos a ser amigos, os dois povos”, finalizou.

Ler mais
Recomendadas

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.

EUA dizem que estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente” com Angola

O secretário adjunto dos Estados Unidos para as relações com África, Matthew Harrington, disse na segunda-feira em Washington que Angola e EUA estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente do passado”.

Hong Kong: Twitter bane propaganda de media controlados pelo Estado chinês

A rede social Twitter informou hoje que não aceitará mais “propaganda de órgãos de imprensa controlados pelo Estado”, condenando comportamentos “manipuladores”, depois de anunciar que suspendeu quase mil contas associadas ao regime chinês.
Comentários