Grupo Lusíadas pondera abandonar convenção com a ADSE

Entidade está a “analisar opções para a cessação das atuais convenções existentes com a ADSE”, de acordo com comunicado divulgado ao final da tarde desta quarta-feira.

O Grupo Lusíadas Saúde pondera o fim da convenção com a ADSE, juntando-se à CUF e ao grupo Luz Saúde, segundo um comunicado divulgado esta quarta-feira. O comunicado emitido pelo conselho de administração à Lusíadas Saúde indica que a entidade se encontra a “analisar opções para a cessação das atuais convenções existentes com a ADSE”.

O documento indica também que “neste contexto de cessação das atuais convenções, e depois de diversas reuniões internas com as suas Unidades operacionais e respetivas direções clínicas, o Grupo Lusíadas Saúde assegurará, contudo, o adequado acompanhamento e tratamento aos clientes da ADSE que se encontrem a ser assistidos nas unidades do grupo, assim como criará uma tabela própria para que os mesmos beneficiários possam aceder às nossas Unidades, podendo posteriormente pedir o reembolso à ADSE em regime livre”.

Esta terça-feira o grupo José Mello Saúde formalizou a suspensão da convenção com a ADSE para prestação e cuidados de saúde aos seus beneficiários em toda a rede CUF, podendo evoluir para denúncia definitiva da convenção. No mesmo dia, também a Luz Saúde anunciou que vai deixar de prestar serviços ao abrigo da ADSE a partir de 15 de abril.

Relacionadas

Respostas Rápidas. José de Mello, Luz Saúde, Lusíadas e Cruz Vermelha: que posições assumiram sobre a ADSE?

Como se estão a posicionar os privados face à ADSE? Vão existir mais cortes de grupos privados de saúde com este subsistema de saúde?

Tensão ADSE/saúde privada: “Redução retroativa de preços foi a gota de água”, diz associação dos hospitais privados

Presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) critica inexistência de regras que permitam previsibilidade na relação com a ADSE. Óscar Gaspar diz hospitais CUF e da Luz Saúde suspenderam convenções essencialmente devido à regra das regularizações retroactivas com base no preço mínimo praticado por outro prestador.

Alexandre Abrantes, Hospital da Cruz Vermelha: “Sem o setor privado, a ADSE não existe”

Num dia conturbado na relação entre a ADSE e os privados, o Jornal Económico falou com Alexandre Abrantes, presidente do Conselho de Administração do Hospital da Cruz Vermelha.
Recomendadas

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.

Segunda fase da mudança da faixa da TDT arranca dia 24 de fevereiro

A segunda fase do processo de levantamento da rede TDT da faixa que será ocupada pelo 5G abrange os distritos de Évora, Beja e Setúbal.

António Simões sai do banco britânico HSBC depois de quebra nos lucros de 53%

O gestor português que liderava a banca privada chegou a ser apontado à liderança do HSBC, mas acabou por sair no âmbito da reestruturação que provocou o despedimento de 35 mil pessoas.
Comentários