Guru de automóveis chinês acredita no hidrogénio como o futuro da mobilidade

Foi executivo da Audi mas acabou por se tornar ministro da ciência e tecnologia na China. Wan Gang convenceu os líderes mundiais de automóveis, há duas décadas, a apostar na eletrificação de veículos.

Toyota

Pretendia revolucionar a indústria automóvel de veículos elétricos no mundo através da China, eliminando a combustão fóssil. A visão é de Wan Gang, considerado o pai dos veículos elétricos na China, mas o guru já está pronto para a mudança para o hidrogénio, segundo noticia a Bloomberg.

De acordo com Wan Gang, o maior fabricante de automóveis já está preparado para avançar com a produção de veículos movidos a hidrogénio fuel-cell, tal como fez com os carros elétricos.

Foi executivo da Audi mas acabou por se tornar ministro da Ciência e Tecnologia na China. Wan Gang convenceu os líderes mundiais de automóveis, há duas décadas, a apostar na eletrificação de veículos. O objetivo do especialista não era vender apenas os automóveis para impulsionar o crescimento económico mas reduzir a dependência da China em relação às importações de petróleo e ao nível de poluição.

Depois do resultado positivo na evolução de venda e produção de ‘carros verdes’, Wan diz que está na altura de apostar no hidrogénio. “Devemos investigar o estabelecimento de uma sociedade de hidrogénio”, afirmou Wan, cujo cargo atual como vice-presidente do órgão para elaborar políticas, lhe permite planear o futuro da China. “Precisamos de ir mais longe, em direção às células de combustível”, sublinhou.

Assim, o governo chinês vai atribuir recursos para que estes veículos sejam desenvolvidos, enquanto planeia descontinuar o programa de apoio ao setor dos veículos 100% elétricos, aumentando o financiamento para os veículos de hidrogénio.

Na verdade, Wan Gang pode não estar errado sobre o futuro dos veículos. As ações de algumas empresas relacionadas com esta tecnologia, como por exemplo a Jiangsy Huachang Chemical, aumentou 4,3% na Bolsa de Shenzhen.

Apesar do preço destes veículos ser superior, também apresentam mais benefícios sendo que abastecem mais rápido e conseguem alcançar distâncias maiores do que os carros 100% elétricos, mas isso parece não convencer.

No entanto, a China pode mudar o jogo, fazendo destes veículos o ponto de viragem que a indústria está à espera.

Para Wan, a mudança para o hidrogénio é apenas um passo natural, tal como foi a dos eléticos. A adoção dos veículos com células de combustíveis a hidrogénio tem sido lenta, apesar de a China ter uma abundante fonte de hidrogénio, segundo Wan. Atualmente, apenas existem 1.500 mil veículos deste tipo a ser utilizados, em comparação com os mais de dois mil elétricos em que o mundo acredita.

Ler mais
Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Efacec emitiu obrigações no valor de 58 milhões de euros

De acordo com a informação da empresa liderada por Isabel dos Santos, esta operação vai suportar o crescimento sustentado dos negócios do grupo. A Optimal Investments e a Beka Finance atuaram como assessores financeiros da operação.
Comentários