Lucro do Bankinter cai 65% no semestre. Provisões somam mais de 192 milhões de euros

As provisões relacionadas com a pandemia Covid-19 pesou no resultado líquido do banco espanhol.

O resultado antes de impostos da atividade bancária do Bankinter no primeiro semestre ascendeu a 61,8 milhões de euros, o que se traduz numa queda homóloga de 82,1%, afetado pelas provisões de 192,5 milhões de euros, específicas da pandemia Covid-19.

Em Portugal, atividade do Bankinter gerou no semestre um resultado antes de impostos de 17 milhões de euros, o que representa uma queda homóloga de 50%, devido às  provisões realizadas de 25 milhões de euros para prevenir o cenário macroeconómico, quer à libertação de provisões efetuadas no exercício passado e nos anteriores. O resultado antes de impostos do Bankinter Portugal cresceu 60% em termos homólogos.

Contando com a atividade seguradora, a Línea Directa Aseguradora, o resultado líquido consolidado do Grupo Bankinter atingiu os 109,1 milhões de euros, o que representa uma queda homóloga de 64,7%.

Ainda assim, a margem de juros cresceu 12%, a margem bruta expandiu 11% e o resultado antes de provisões. Quanto ao balanço, é de destacar o crescimento do crédito: mais 10% nos períodos em comparação.

O Grupo espanhol disse ter registado “um volume de receitas recorde” até junho de 2020. Antes das provisões, a margem operacional aproximou-se dos 470 milhões de euros, um aumento homólogo de 9,8%.

O rácio de eficiência na atividade bancária melhorou 110 pontos base face ao primeiro semestre de 2019, fixando-se nos 47,9%.

A carteira de crédito subiu 7,4% para 63.6 milhões de euros e os recursos dos clientes subiram 10% para 61.5 milhões de euros.

A carteira de crédito a empresas atingiu os 28.3 milhões de euros, isto é, um aumento de 18,4% face a igual período do ano passado, enquanto a carteira hipotecária somou 27 mil milhões de euros, apesar da contração homóloga de 13% da nova produção de crédito hipotecário.

No crédito ao consumo que o Bankinter Consumer Finance desenvolve em Espanha, Portugal e Irlanda, foi concedido 2.8 mil milhões de euros em crédito no semestre, isto é, mais 8% do que em igual período do ano passado.

Na gestão de ativos, os ativos sob gestão cresceram nos negócios de “Banca Privada” e “Banca Personal” cresceram 2%, em termos homólogos, para 39 mil milhões de euros. O novo património captado nos clientes com maior património foi de mil milhões de euros.

“No negócio com empresas, destacam-se três alavancas de receitas: banca internacional, com um aumento da margem bruta de 9% no ano; banca de investimento que, sob a marca “Bankinter Investment”, fez a sua margem bruta crescer 11%; e negócio Transacional, que aumentou as suas receitas por comissões em 3%”, diz a instituição financeira.

Os ativos do Grupo somaram mais de 92.8 milhões de euros no semestre, mais 12,2% do que em igual período do ano passado.

“Quanto aos principais rácios, o Bankinter reforça a solvência relativamente aos trimestres anteriores, alcançando um rácio de capital CET1 fully loaded de 11,8%, 1.400 milhões de euros acima do requisito mínimo do BCE. Por outro lado, a realização de provisões com um valor mais elevado, que impactam o resultado, afetam também a rentabilidade dos capitais próprios, ROE, se bem que este rácio se mantenha em posições de liderança no setor, situando-se em 7,56%”, refere o banco espanhol.

(atualizada às 9h03 com mais informação)

Ler mais
Relacionadas

Bankinter aposta em serviços de gestão de pagamentos para facilitar relação das empresas com fornecedores

Adicionalmente, a plataforma Bankinter Confirming facilita os pedidos de antecipação sem necessidade de assinatura de documentos e o acesso, em Portugal ou no estrangeiro.
Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Novo Banco? Se fosse em 2013, isto tinha rebentado com o mercado para Portugal”

Nesta edição do programa da JE TV, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE), Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) e Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisaram o impacto do ‘travão’ parlamentar ao financiamento do Novo Banco.

BCE obriga bancos sistémicos a avaliarem antecipadamente o risco de incumprimento nos contratos em moratória

Há seis novas diretrizes do BCE aos bancos de importância sistémica e os CEO dos bancos têm de responder ao supervisor europeu até 31 de janeiro de 2021. O BCE diz que os bancos supervisionados devem realizar uma avaliação regular da improbabilidade de os créditos serem pagos, incluindo aqueles que estão protegidos pela moratória de pagamento, usando todas as informações relevantes e disponíveis.

Fusão do CaixaBank com o Bankia aprovada em assembleia geral

Criação do maior banco em Espanha está agora apenas dependente da aprovação das autoridades regulamentares competentes. Agência de notação financeira DBRS diz que os benefícios da fusão vão demorar tempo a serem atingidos e alerta para a deterioração do rácio de NPL do CaixaBank logo após a operação.
Comentários